Diretor da Chapecoense chora: “O sonho acabou nessa madrugada”

Emocionado e com lágrimas nos olhos, ele interrompeu sua fala várias vezes durante a entrevista e precisou se sentar

diretor-chapeco

Plínio Arlindo de Nes Filho, presidente do Conselho Deliberativo da Chapecoense, falou ao Bom Dia Brasil (Foto: TV Globo/Reprodução)

O pefeito de Chapecó (SC), Luciano Buligon, e o presidente do Conselho Deliberativo da Chapecoense, Plínio David de Nes Filho, estavam na lista de convidados da viagem para Medellín, na Colômbia, que acabou em um acidente aéreo que matou 75 pessoas na madrugada desta terça-feira (29). Os dois, porém, acabaram não embarcando em razão de compromissos em São Paulo e seguiriam para Medellín na tarde desta terça para assistir à final da Copa Sul-Americana, na quarta-feira (30).

Em entrevista ao Bom Dia Brasil, o presidente do conselho disse que o sonho do clube e dos jogadores de conquistar o título acabou. “Ontem de manhã, eu me despedindo deles, eles diziam que iam em busca do sonho para tornar esse sonho uma realidade e nós, muito emocionados compartilhamos muito com eles desse sonho, e o sonho acabou nesta madrugada”, disse, abalado, De Nes Filho.

O presidente do conselho agradeceu as manifestações de carinho. “O que a gente tem a dizer é que a solidariedade do povo brasileiro é uma coisa valiosa”, afirmou de Nes Filho. Emocionado e com lágrimas nos olhos, ele interrompeu sua fala várias vezes durante a entrevista e precisou se sentar.

O conselheiro e o prefeito estão hospedados em um hotel na região do Brooklin, na Zona Sul de São Paulo, e iriam embarcar na tarde desta terça-feira em um voo regular.

A Chapecoense estava em São Paulo após jogar contra o Palmeiras e saiu do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na São Paulo, na noite de segunda (28), para disputar a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional, na quarta (30). Inicialmente, a delegação embarcou em um voo comercial de São Paulo até a Bolívia. Lá, o grupo pegou um voo da LaMia rumo à Colômbia.

“Esse grupo dentro da Chapecoense, entre atletas e direção, não era apenas um grupo de respeito mútuo profissional ou pelo dirigente, era um grupo familiar, era um grupo de amizade onde todo mundo ria muito. Mesmo nas derrotas, os nossos estímulos para que se procurasse mais adiante a vitória era uma coisa constante. Nós vivíamos em harmonia, em uma alegria muito grande”, completou o conselheiro do clube.

prefeito-chapeco

Prefeito de Chapecó falou ao Bom Dia Brasil sobre a tragédia com o voo do time da Chapecoense (Foto: TV Globo/Reprodução)

Os familiares das vítimas estão reunidos na sede do clube, em Chapecó. “Nós montamos um QG no próprio vestiário da Associação Chapecoense de Futebol” afirma de Nes Filho.

Já o prefeito de Chapecó informou que vai pedir para a Presidência da República para definir uma aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira) para buscar os corpos das vítimas.

Acidente

Segundo a imprensa local, a aeronave com o time catarinense perdeu contato com a torre de controle às 22h15 (local, 1h15 de Brasília) e caiu ao se aproximar do Aeroporto José Maria Córdova, em Rionegro, perto de Medellín.

Os jogadores da equipe de Santa Catarina são os goleiros Danilo e Follmann; os laterais Gimenez, Dener, Alan Ruschel e Caramelo; os zagueiros: Marcelo, Filipe Machado, Thiego e Neto; os volantes: Josimar, Gil, Sérgio Manoel e Matheus Biteco; os meias Cleber Santana e Arthur Maia; e os atacantes: Kempes, Ananias, Lucas Gomes, Tiaguinho, Bruno Rangel e Canela.

Segundo a rede de “TV Caracol”, a aeronave sobrevoava as cidades de La Ceja e Abejorral quando sumiu do radar.

Uma operação de emergência foi ativada para atender ao acidente. A Força Aérea Colombiana dispôs helicópteros para ajudar em trabalhos de resgate, mas missões de voos foram abortadas nesta madrugada por causa das condições climáticas. Choveu muito na região na noite de segunda, o que reduziu muito a visibilidade.

Equipes chegaram ao local do acidente por terra, mas o acesso à região montanhosa é difícil e a remoção é lenta.

comentários

Veja também