Delegado diz que crianças com down nasceram após cruzamento de macacas com ETs

"A instituição Polícia Civil não faz distinção de quem quer que seja, conforme estipula a própria Constituição Federal", diz nota de esclarecimento expedida pela Sepc

Um vídeo gravado em uma delegacia de polícia onde aparece o delegado Henrique Peviane falando sobre crianças portadoras da síndrome de down vem causando polêmica nas redes sociais. Peviane diz que as crianças com a síndrome são ETs que surgiram após o cruzamento de seres espaciais com macacas.

“A questão vem dos antepassados remotos do surgimento do homem na terra, que inclusive existe passagem de anjos que desciam e subiam na escada. Esses são ETs que vieram do espaço e tiveram relação com mulheres aqui na terra, que na época eram macacas e nasceram os filhos do ETs que tem o 27º cromossomo. O Bolsonaro explica isso, porque os ETs tem os cromossomos diferentes,  que fizeram a mistura com os terráqueos e nasceram os ETs, que o pessoal chama de síndrome de down, mas eles são Ets”, disse o delegado.

Ao tomar conhecimento do vídeo que se espalhou nas redes, secretário de Estado de Polícia Civil, Carlos Flávio Portela se apressou em divulgar uma nota de repúdio às declarações do delegado Henrique Peviane. “A Polícia Civil não coaduna com a postura inadequada e desrespeitosa do servidor e tomará as providências”. A seguir o vídeo e a nota da Secretaria de Segurança Pública, na íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Polícia Civil do Acre vem à público esclarecer sua postura em relação a produção de um vídeo feito dentro de uma delegacia com a fala pessoal e preconceituosa de um delegado da instituição.

A Polícia Civil não coaduna com a postura inadequada e desrespeitosa do servidor e tomará as providências no intuito de identificar e responsabilizar todos os envolvidos na gravação e veiculação do vídeo, e adotará as medidas necessárias e cabíveis.

A instituição Polícia Civil não faz distinção de quem quer que seja, conforme estipula a própria Constituição Federal. Muito pelo contrário, a entidade tem o papel de investigar e elucidar crimes visando a garantia de direitos e da justiça. Além disso, preza pela imagem que vem sendo construída ao longo dos anos com importante trabalho realizado pelos profissionais de carreira da instituição, dentro dos valores da ética e moral em prol da sociedade acreana.

Na qualidade de Secretário de Estado de Polícia Civil, estou indignado diante do fato ocorrido dentro da delegacia e peço desculpas a todos.

Pessoas e comunidade determinadas a construir um mundo melhor, não podem aceitar atos covardes de preconceito.

Carlos Flávio Portela
Secretário de Estado de Polícia Civil

comentários

Veja também