Rosana: “Jogo político e pressões de governistas não acabarão com a autonomia do Sinteac”

Asseguramos aos nossos filiados que nossas atividades continuam inalteradas, não iremos nos render

Em entrevista à ContilNet, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, esclarece a polêmica envolvendo “jogo político” encabeçado pelo Sindicato dos Professores da Rede Pública de Ensino do Estado do Acre (SinproAcre).

O interesse maior por trás de toda essa manobra, segundo Rosana Nascimento, é acabar com a autonomia sindical e, claro, manter “refém” a maior e melhor organizada categoria do Acre: da Educação, que conta atualmente com 14 mil filiados, entre professores e demais servidores e um patrimônio de R$ 15 milhões.

Rosana Nascimento esclarece ainda que a briga travada entre os dois sindicatos será resolvida nos tribunais, onde já tramitam dois processos impetrados pelo Sinteac: um questionando a decisão do Ministério do Trabalho (MT) de tentar proibir o Sinteac de representar seus filiados, o que fugiria da competência do órgão. O outro envolvendo inquérito policial que investiga possível fraude na autenticidade de assinaturas constantes da Ata de Criação do SinproAcre.

Presidente do Sinteac, Rosana Nascimento /Foto: Reprodução

Confira a entrevista:

CONTILNET – Rosana Nascimento, procede a informação que o Sinteac está proibido de representar seus mais de 14 mil filiados?

ROSANA NASCIMENTO – A decisão do Ministério do Trabalho é ilegal e o Sinteac não se submeterá a ela, tampouco aceitaremos dividir a categoria, como determinou. A questão está sub judice e, até lá, o SinproAcre não pode afirmar que o Sinteac está proibido de representá-los, nem mesmo alegar que representa nossos professores.

Outro ponto a ser observado é que, para isso se tornar possível, faz-se necessário que os professores filiados ao Sinteac peçam desfiliação voluntariamente, o que não tem ocorrido e creio que não ocorrerá. Ao contrário, todos os dias temos novos filiados e, na última greve, mil professores que eram filiados ao SinproAcre procuraram o Sinteac para se filiar. A filiação é livre e o trabalhador não posse ser obrigado a se desfiliar.

CONTILNET –Que motivos estariam por trás dessa problemática? Você atribui os fatos à perseguição política e jogo de interesses?

ROSANA NASCIMENTO – Nossa representatividade tem crescido cada vez mais porque temos dois objetivos bem claros. O 1º é não ser atrelado ao governo e o 2º é fazer a defesa dos interesses da categoria. A categoria de professores da rede pública do Acre nunca externou qualquer vontade de romper com o Sinteac. Por isso, acredito que esse grupo [do SimproAcre] é cúmplice dos governistas que têm pressionado os professores e funcionários para se desfiliar com intuito de acabar com a autonomia do Sinteac.

Tenho me esforçado para ser aquela pessoa que busca garantir os direitos dos trabalhadores e isso tem incomodado muitos. Eles [governistas] me acusam de ter uma gestão ‘desiquilibrada’, mas os números mostram o contrário. Antes, o Sinteac possuía 8.516 filiados, agora temos 14 mil. Em cada município acreano temos uma sede. Firmamos novos convênios com supermercados, farmácias, laboratórios, clínicas médicas e expandimos as opções de consultas, exames e especialidades clínicas, sem contar os investimentos em atendimento odontológico ofertados aos nossos filiados e seus dependentes. Os professores e funcionários da Educação reconhecem o trabalho realizado pelo Sinteac

Sinteac tem encabeçado os maiores protestos em defesa dos trabalhadores da Educação no Acre /Foto: ContilNet

CONTILNET – Que tipo de interesses estão por trás dessa briga sindical?

ROSANA NASCIMENTO –  Ganhamos as eleições com expressiva votação e firmamos um compromisso com os trabalhadores no sentido de realizar uma gestão desvinculada do governo e de partidos. Depois que organizamos a maior greve da Educação, em que o governo saiu desmoralizado, isso gerou retaliação para o sindicato. Não iremos aceitar que façam qualquer conchavo ou negociatas com a pauta dos trabalhadores.

Querer impor uma representatividade sindical à revelia dos trabalhadores não me parece algo democrático. A criação do SinproAcre é mais a vontade de uns “dirigentes pelegos” que querem um sindicato para chamar de seu, sem verdadeiramente ouvir o clamor da categoria profissional.

CONTILNET – O que o Sinteac tem a esclarecer aos seus mais de 14 mil filiados?

ROSANA NASCIMENTO – Quero dizer aos professores e servidores da Educação do Acre que nosso sindicato continua existindo. A luta continua, os atendimentos aos trabalhadores continuam. O sindicato permanecerá aberto a serviço da categoria. Não aceitaremos essa determinação de alteração da base.

Informo que já entramos com a impugnação administrativa no MT, baseado nos graves indícios de fraude em todo o processo de criação do SinproAcre. Eles violaram a CLT e não cumpriram as próprias determinações do MT. O Estado, representado Ministério do Trabalho, não tem poder e atribuição de determinar a retirada da categoria dos professores do quadro de representatividade do Sinteac.

Asseguramos aos nossos filiados que nossas atividades continuam inalteradas, não iremos nos render a esse grupo que tem como objetivo enfraquecer a luta sindical e ter acesso ao dinheiro da categoria para interesses alheios aos trabalhadores da Educação.

Aproveito para alertar nossos filiados que fique atentos a qualquer tentativa de mobilização dos ‘inimigos dos trabalhadores’ sob a alegação de realizar assembleias para criação de novo sindicato. Outra coisa importante que deve ser esclarecida é que o ato de filiação a qualquer entidade é de escolha pessoal do servidor. Portanto, não se deixem intimidar com pressões por parte de gestores da Secretaria de Educação.

Eles [SinproAcre] são a extensão do governo e estão usando esse sindicato para atrapalhar e prejudicar os direitos dos trabalhadores em Educação, pois na hora da luta eles não aparecem na mesa de negociação. Não estarão em luta nenhuma pelos direito dos servidores.

comentários

Outras Notícias

Veja também