Diretor do RBTRANS diz que prefeitura não irá regularizar serviços do aplicativo UBER em Rio Branco

Fundada em 2009 por Garrett Camp e Travis Kalanick, a proposta inicial do Uber era ser um serviço semelhante a um táxi de luxo

Os moradores da capital acreana não vão poder dispor dos serviços do Uber, uma empresa multinacional norte-americana que nasceu em 2009 com a proposta inicial de oferecer um serviço semelhante a um táxi de luxo, e que no mês passado anunciou que estaria se preparando para começar a investir no Acre.

Fornek: “A prefeitura não tem interesse em regularizar o aplicativo Uber”

O diretor do RBTRANS, Gabriel Fornek, disse à ContilNet que a Prefeitura de Rio Branco não tem interesse de enviar nenhuma lei à Câmara para regularizar o serviço.

“Nosso entendimento é que já temos uma frota de veículos novos, que é a frota de carro mais nova do Brasil. Temos hoje cooperativas de radio taxi para atender a população, e que vêm sendo incentivadas pela prefeitura a utilizarem aplicativos de chamadas e outros sistemas que possam dar mais comodidade ao consumidor”, disse Fornek.

Para ele, o mercado está muito cheio para abrir espaço para novas permissões. “A lei municipal fala que é um taxi para cada habitante, nós temos hoje 600 taxistas e a população não chega a 400 mil”, explica.

Gabriel Forneck também fez uma advertência aos motoristas que forem flagrados trabalhando com o aplicativo do Uber. “Quem for pego será enquadrado na Lei de Transporte Clandestino e poderá pagar uma multa de R$ 1.200,00 e ainda ter o veículo apreendido. No caso de reincidência a multa será dobrada”, alerta. (Redação ContilNet)

Leia Mais:
Sucesso no mundo inteiro, Uber deve chegar a Rio Branco e abre vaga para Agente de Atendimento

O que é Uber

Uber é uma empresa multinacional norte-americana, prestadora de serviços eletrônicos na área do transporte privado urbano e baseada em tecnologia disruptiva em rede, através de um aplicativo E-hailing que oferece um serviço semelhante ao táxi tradicional, conhecido popularmente como serviços de “carona remunerada”.

Diretor do RBTRANS disse à ContilNet que a prefeitura de Rio Branco não tem interessa em investir no Uber/Foto: Divulgação

Cerca de cinco anos após sua fundação a empresa foi avaliada em 18,2 bilhões de dólares, em junho de 2014, contando com investidores como a Google e Goldman Sachs.

Fundada em 2009 por Garrett Camp e Travis Kalanick, a proposta inicial do Uber era ser um serviço semelhante a um táxi de luxo, oferecendo carros como Mercedes S550 e Escalade na cidade de São Francisco (Califórnia). O aplicativo foi lançado em 2010 para Android e iPhone. Ele foi um dos pioneiros no conceito de E-hailing.

Em 2010 e 2011, o Uber recebeu quase 50 milhões de dólares em investimentos feitos por investidores-anjo e venture capitalists, e em 2012 a empresa expandiu os serviços para Londres e iniciou testes de incluir a requisição de táxis convencionais através do aplicativo em Chicago. No mesmo ano, passou a oferecer táxi aéreo por helicópteroentre a cidade de Nova Iorque e Hamptons por 3.000 dólares.

Em 2015 o Uber recebeu uma nova rodada de investimento, da qual a Microsoft fez parte, o que fez seu valor de mercado subir a US$ 51 bilhões.

Os motoristas Uber não cobram diretamente por carona, mas recebem uma remuneração diretamente da empresa, que observa na formação de seus preços a relação de oferta de motoristas conforme a demanda dos usuários e baseando-se também na duração e distância da corrida, o que permite uma alocação mais inteligente – e econômica – do transporte urbano, essa alocação inteligente é a base de lucros da empresa. Atualmente, novas formas de mobilidade estão a ser estudadas, tais como serviço de transporte sem motorista ou mesmo através de carros voadores.

E-hailing

E-hailing é o ato de se requisitar um táxi através de um dispositivo eletrônico, geralmente um celular ou smartphone. Ele substitui métodos tradicionais para se chamar táxis, como ligações telefônicas ou simplesmente esperar ou ir à busca de um táxi na rua.

O E-hailing oferece várias vantagens em relação às maneiras tradicionais de pedir por táxis:

  • Facilidade no pagamento: armazena-se informações de cartão de crédito no aplicativo, não necessitando de máquinas leitoras sem fio no táxi.
  • Rapidez: enquanto empresas de táxi tradicionais não possuem informações precisas e em tempo real da localização de seus funcionários, o uso de aplicativos de e-hailing pelo taxista ou motorista permite que o aplicativo tenha informações de GPS em tempo real. Assim, chama-se automaticamente o táxi mais próximo, reduzindo o tempo de espera.
  • Custo: os custos de se manter um aplicativo de e-hailing são muito menores que os de se manter uma empresa tradicional de táxi, possibilitando grande redução nos preços cobrados. (Wikipédia)

comentários

Outras Notícias

Veja também