Sem pudor, Joesley Batista pede desculpas à nação após tentar derrubar presidente Michel Temer

Em tentativa desesperada de se livrar da prisão e fugir dos tentáculos da Lava Jato, empresário da JBS agiu clandestinamente contra o presidente

Quanto vale a sua liberdade? Você derrubaria uma nação para sair ileso de um crime do colarinho branco? Provavelmente não. Mas não foi assim que tentou e conseguiu agir o empresário e dono da JBS, Joesley Batista.

Em tentativa desesperada e quase criminosa de livrar a própria pele, Joesley Batista fez tudo que podia e não podia para escapar das grades e da falência. O empresário chegou ao ponto de comprar um Procurador de Justiça, gravar clandestinamente conversas com o Presidente da República e jorrar propina para mais de mil políticos da sua própria nação.

Joesley Batista é sócio do grupo que controla a JBS, dona da Friboi/Foto: Ayrton Vignola/ Estadão Conteúdo

A primeira vista a ação criminosa saiu como o esperado. Joesley garantiu para si, para sua empresa e para seu irmão Wesley tudo aquilo que outros gigantes envolvidos na Lava Jato não conseguiram. Enquanto, por exemplo, Marcelo Odebrecht mofa em uma cela da Polícia Federal e vê suas empresas naufragarem, Joesley brinda a vida nos Estados Unidos e tem suas empresas protegidas de maiores estragos.

Ou seja, como é possível que o empresário praticamente venda uma nação em troca de benefício próprio e depois venha com uma desculpa esfarrapada para tentar diminuir sua culpa. Impossível! Joesley devia ter pensado isso quando irrigava propinas por todos os cantos do País para conseguir seu enriquecimento ilícito. Agora soa como uma piada esse pedido de desculpas. Joesley está em seu apartamento de luxo nos Estados Unidos, sem tornozeleira, empresas funcionando a todo vapor e quem sabe até sem peso na consciência, afinal ele pediu desculpas. Isso basta para você?

JBS e pede desculpas aos brasileiros

O texto do proprietário do frigorífico admite as irregularidades cometidas e pede desculpas aos brasileiros. Nos diálogos gravados pelo empresário e apresentado em sua delação, Joesley Batista revela pagamentos indevidos a agentes públicos e lamenta as relações de suas empresas com autoridades.

“Não honramos nossos valores quando tivemos que interagir, em diversos momentos, com o Poder Público brasileiro. E não nos orgulhamos disso. Nosso espírito empreendedor e a imensa vontade de realizar, quando deparados com um sistema brasileiro que muitas vezes cria dificuldades para vender facilidades, nos levaram a optar por pagamentos indevidos a agentes públicos”, informou em nota.

Joesley também declara no documento que as mudanças no País também refletiram nas mudanças da empresa. “Por isso estamos indo além do pedido de desculpas. Assumimos aqui um compromisso público de sermos intolerantes e intransigentes com a corrupção.”

O texto também confirma que foram assinados acordos que cooperam com o Ministério Público. “Pedimos desculpas a todos os brasileiros e a todos que decepcionamos, que acreditam e torcem por nós. Enfrentaremos esse difícil momento com humildade e o superaremos acordando cedo e trabalhando muito”, conclui o empresário.

Alvos de investigações

Joesley e seu irmão Wesley Batista são alvos de ao menos cinco operações da Polícia Federal em menos de um ano. Na última delas, a Operação Bullish, deflagrada na semana anterior, o empresário é investigado por transações envolvendo a JBS e o BNDES que teriam causado prejuízo de R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos. Wesley foi levado coercitivamente para depor.

Na Lava Jato, o empresário é investigado nas operações Sépsis, Greenfield e Cui Bono. As investigações apuram se ele teria realizado o pagamento de propina para liberar recursos do FGTS e investimentos de fundos de pensão de estatais em suas empresas.

A JBS também esteve envolvida nos escândalos do setor alimentício, uma das gigantes da operação Carne Fraca, revelada no início de 2017. Além de tentar mudar a data de validade de seus produtos, a empresa também foi apontada em um esquema de corrupção entre frigoríficos e fiscais para acelerar a liberação de produtos.

Influente no mundo político

A influência de Joesley Batista ia além do setor de alimentos. O conglomerado ainda tem marcas como Havaianas, Minuano e do banco Original. E essa participação ativa no ramo dos negócios fez com que o empresário logo aparecesse no cenário político, principalmente ao fazer doações bastante generosas a partidos durante as eleições. Em 2014, doou mais de R$ 50 milhões à campanha da ex-presidente Dilma Rousseff.

E ele logo passou a estender sua influência sobre as decisões do próprio Planalto. Logo após a eleição, quando Dilma nomeou a senadora Kátia Abreu (PMDB) para o Ministério da Agricultura, o empresário foi até Michel Temer demonstrar seu descontentamento com a indicação, principalmente após a então ministra ter dito que a JBS adotava práticas monopolistas.

comentários

Veja também