Saúde municipal intensifica ação de combate à sífilis em Rio Branco

O principal objetivo, de acordo com a equipe, é conter o crescimento do número de casos da doença

A Prefeitura de Rio Branco, por meio da secretaria Municipal de Saúde (Semsa), realizou nesta sexta-feira (20) na Unidade Básica de Saúde Maria Barroso Silva, na Baixada da Sobral, grande ação de combate à sífilis. Equipes foram mobilizadas para, durante todo o dia, realizar testes rápidos e palestras. O principal objetivo é conter o crescimento do número de casos da doença.

De acordo com o Boletim Epidemiológico de Sífilis de 2016, no Brasil, entre os anos de 2014 e 2015, a sífilis adquirida aumentou 32,7%; a sífilis em gestantes, 20,9%, e a sífilis congênita – transmitida da mãe para o bebê, 19%. Em Rio Branco, a disponibilidade de testes em todas as unidades levou ao registro de um aumento de 67% nos casos sífilis adquirida. Os diagnósticos em tempo oportuno contribuíram para uma redução de 25% nos casos de sífilis congênita.

De acordo com a técnica responsável pelos agravos de Sífilis da SEMSA, Aldelice Gomes Ferreira, embora as ações educativas, a desinformação é um dos fatores que mais contribui para o avanço da doença no país. A sífilis tem afetado principalmente jovens, homens e mulheres com idade entre 20 e 35 anos. Então há ainda grande necessidade de ações como essa que alertem para identificação dos sintomas e necessidade de realizar o teste. “Na maioria das vezes, as pessoas não conseguem identificar e confundem os sintomas. Aparecimento de manchas nas palmas dos pés e mãos é o primeiro sinal de alerta”, ressaltou.

A ação na Unidade Maria Barroso foi uma das estratégias para chamar a atenção quanto à importância do teste rápido para prevenção ou tratamento. Mas os testes são realizados em todas as unidades de saúde do município diariamente. Para fazer o exame basta apresentar o cartão do SUS.

Aldelice, diretora do programa/ Foto: Marcos Vicentti

Acompanhamento pré-natal pode evitar sífilis congênita

A Sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) causada pela bactéria Treponema pallidum. A transmissão pode ocorrer na relação sexual sem camisinha ou da mãe infectada para a criança durante a gestação ou no momento do parto. O uso do preservativo é a única forma de prevenir a sífilis adquirida e em gestantes. Somente o acompanhamento pré-natal pode evitar a sífilis congênita. A partir do teste rápido, feito ainda no primeiro mês de gestação, é possível iniciar o tratamento e evitar que a mãe transmita a doença para o bebê.

Ação de combate a sífilis/ Foto: Marcos Vicentti

comentários

Outras Notícias

Veja também