Mesmo com as acusações, Marcus Alexandre segue na frente das pesquisas de intenção de votos

Um candidato não precisa tirar foto olhando um bueiro sem tampa, mas precisa se reunir com a comunidade

Precisa dizer quais a mudanças

A oposição precisa dizer quais são as principais propostas que mudaram os quadros existentes atualmente na administração petista no Acre. Isso precisa ser massificado dentro da sociedade, nos municípios, movimentos sociais e entre empresários. Melhor começarem a colocar os ideais da oposição no debate direito com a população, ou então podem se contentar em arrumar uma desculpa para dizer que perdeu para a máquina governamental.

Mais coerência

Um candidato não precisa tirar foto olhando um bueiro sem tampa, mas precisa se reunir com a comunidade e verificar as principais necessidades na região. Uma agenda política pode ser estabelecida diretamente com as atividades existentes de sua função. Só é preciso haver mais significado no objetivo claro.

Não será mais ele

Esqueçam que o secretário de Segurança Pública, Emylson Farias, teve chances de ser o vice na chapa da Frente Popular. Uma fonte de dentro do PT disse à coluna que seu nome foi rejeitado por conta de análises feitas nesses últimos três meses. O anúncio de Emylson junto com Marcus Alexandre não aconteceu devido a decisão da cúpula em encontrar um nome que some junto ao do prefeito de Rio Branco na disputa do governo em 2018.

Reforçando os apoios

O senador Sérgio Petecão (PSD) vem garantindo os apoios que teve em sua eleição em 2010 e firmando parcerias com os que não estiveram com ele, quando se elegeu senador. O parlamentar, que tem dedicado seu mandato a liberar emendas e recursos para todos os municípios, sendo nos últimos oitos anos o que mais se destacou nesse tipo de ação tem convicção e cartucho em serviço à população de todos os municípios para medir forças contra seus adversários.

Continua sendo prestativa

A ex-deputada Antônia Sales (PMDB) segue de forma simples e humilde ganhando ainda mais apoio das comunidades no Vale do Juruá. Ela deixou de disputar a reeleição em 2014, mas continua subindo e descendo os rios de sua região ajudando as comunidades como pode. Esse trabalho também fortalece o nome de sua filha a deputada federal Jéssica Sales (PMDB) que atualmente é considerada um mito na região e em diversos municípios do Estado.

Xapuri é um caos

O deputado Antônio Pedro (DEM) disse que foi uma tragédia o PT ganhar a eleição em Xapuri. Segundo o parlamentar, a cidade está abandonada e a população arrependida de ter elegido novamente o petista para tomar de conta da cidade. “Se o Governo do Estado não ajudar, a tendência é ficar ainda pior. Por isso, procuro levar as reivindicações da população, por meio da tribuna da Assembleia Legislativa, para que seja feito ações de competência da prefeitura e Governo em nossa região”, relatou o deputado bastante preocupado com sua cidade.

Não baixou a cabeça

O prefeito de Rio Branco Marcus Alexandre (PT) enfrenta as acusações que sofreu pelas redes sociais de cabeça erguida e continua visitando os bairros e olhando nos olhos da população. Isso mostra a coragem e a espera pelo desenrolar do inquérito aberto pela Polícia Federal sobre o possível desvio de recursos e obras de má qualidade na BR-364.

Agora na frente

Mesmo com todas as acusações por conta da BR-364, o prefeito Marcus Alexandre segue na frente das pesquisas divulgadas recentemente. Uma situação que deve fazer a oposição abrir os olhos e começar a analisar por quais motivos isso vem acontecendo. Ou irão achar que isso é normal?

Analisando as disputas

Os candidatos ao Senado Federal deveriam analisar as últimas três disputas em que estiverem em concorrência as duas vagas. Nas eleições de 1994 disputaram o cargo Marina Silva (PT), que teve 64.436 votos; Nabor Junior (PMDB), que teve 60.335 votos; Narciso Mendes (PPR), com 55.995 votos; Aluísio Bezerra (PMDB) com 53.038 votos; Jorge Kalume (PPR) com 45.633 votos; José Humberto Coelho (PL) com 11.921 votos e José Winlkens Dias Sobrinho (Prona) com 9.905 votos. Qual o diagnóstico nesta eleição? No início os candidatos da mesma coligação se colocaram como rivais e acabaram perdendo o segundo voto para seus “adversários”. Na época, no segundo voto os eleitores decidiram optar por Marina Silva. O que aconteceu? A ex-Senadora, que perdia nas pesquisas para Nabor Junior e Narciso Mendes, acabou sendo a mais votada.

Quase uma repetição de 1994

Vamos para as eleições de 2002, quando estiveram na disputa Nabor Junior, Marina Silva, Geraldo Mesquita, Marcio Bittar, Sérgio Barros (PSDB) e José Aleksandro (PSL). Com exceção de José Aleksandro, todos os demais candidatos perderam o segundo voto para a senadora Marina Silva, tendo dentro do PMDB uma dissidência entre um grupo que apoio Marcio Bittar e outro que ajudou Maria Silva. Mas a divisão levou os dois candidatos da Frente Popular a se eleger.

Quando houve união

Em 2010 o cenário foi diferente e a oposição conseguiu conquistar uma vaga por ter somente quatro candidatos de destaque, sendo um que trazia votos de eleitores da Frente Popular no caso o senador Sérgio Petecão (PSD), antes no PMN que rachou com os irmãos Vianas, pela política que vinha sendo feita no Estado. Na época disputaram Jorge Viana (PT), Edvaldo Magalhães (PCdoB), Sérgio Petecão (PMN) e João Correia (PMDB). Neste contexto com o ex-prefeito de Acrelândia, Tião Bocalom (DEM), antes no PSDB, a oposição se unificou em fechar os votos nos dois candidatos, mas tinha uma situação diferente no andar da disputa: a rejeição de Edvaldo que foi surgindo dentro da Frente Popular. O que ocasionou uma votação para a segunda vaga do Senado sendo dada ao Petecão, que obteve quase 200 mil votos no peito.

Histórico é importante

O que fica estabelecido é que, se o houver união da oposição, pelo menos uma vaga será garantida. Mas se houve a situação de adversários políticos ou rejeição dentro da coligação a situação fica difícil até mesmo para quem tem chances. E não esqueçamos que o segundo voto pode acabar levando o candidato a ser o mais votado no pleito eleitoral. A divisão na disputa de duas vagas ao Senado é cruel. Assessores políticos, alertem seus candidatos!

Agradecimento a todos

Quero deixar o meu muito obrigado por todos os leitores da ContilNet que me acompanharam até aqui. Estamos seguindo para novos horizontes e agradeço a todos pela satisfação de lerem minha coluna e saber que tenho um dever importante, levar as informações isentas de escolhas pessoaiss até vocês. Mas dentro da coluna tenho compromisso como formador de opinião de fazer uma análise crítica para ajudar na melhoria de nossa sociedade. Obrigado especial a todos os leitores e aos colegas jornalistas Thalis Gutierres, Ricardo Bispo, Nany Damasceno, Wânia Pinheiro, Astorige Carneiro e Alamara Barros que escrevem/escreveram para este importante site. Nos vemos em breve, leitores!

comentários

Veja também