Mulher empurrada de penhasco no Paraná finge estar morta para fugir do namorado

'Fiquei meia hora lá, caída de bruços, para ele pensar que eu tinha morrido', conta

Uma mulher de 51 anos fingiu, em junho deste ano, estar morta para fugir do namorado. Segundo a Polícia Civil, ele a empurrou de um penhasco na Serra da Graciosa, no Paraná, e fugiu. O suspeito, de 41 anos, foi preso preventivamente na terça-feira (28), pela Polícia Civil.

A mulher de Curitiba, que não quis ter a identidade revelada, diz que a situação foi uma tentativa de feminicídio e acusa Alecxsandro Damasceno, com quem teve um relacionamento extraconjugal de um ano.

A vítima relata, ainda, que, no início do namoro, não sabia que Alecxsandro era casado. “‘[Falei] Ó, vou contar pra tua mulher que você está saindo comigo’. Ele respondeu: ‘Pego você até n’O Quinto dos Infernos'”, relata.

Para a polícia, ela contou que o namorado a convidou para um passeio noturno pela Estrada da Graciosa e que sugeriu tirar fotos dela em uma ponte. Com o pretexto de arrumar a pose dela, de acordo com a vítima, ele deu o empurrão.

Apesar dos ferimentos em várias partes do corpo, a mulher sobreviveu. (Foto: Reprodução/RPC)

O penhasco tem uma altura de quase quatro metros. Apesar dos ferimentos em várias partes do corpo, a mulher sobreviveu.

“Fiquei meia hora lá, caída de bruços, para ele pensar que eu tinha morrido. Ele ficou com o celular, lá em cima, para ver se tinha morrido ou não. Daí, fiquei meia hora lá e, quando vi que ele não tava mais, fui subindo até chegar na rodovia”, lembra.

Um homem que mora no alto da serra foi quem prestou socorro. “Ela chegou em casa, bateu na porta chorando, se queixando que estava ruim, machucada, [dizendo] que alguém tinha batido nela e abandonado ela na serra. Aí, a gente ficou escutando bastante tempo”, lembra.

Ele, que também não quis ser identificado, relatou que ficou “cabreiro”, mas que acabou ajudando a vítima. “Fui até os guardas e ajudei a mulher. Eles vieram com a viatura e pegaram ela”, relata.

Depois de ficar internada e fazer tratamento por cinco meses, a vítima decidiu procurar a polícia, no início deste mês, por se sentir ameaçada. “Eu sofri muito aquele dia, né?! Daí, pensei que ele tem que pagar o que fez né?”, acredita.

Alecxsandro nega o crime e diz que o que aconteceu foi um acidente. O suspeito afirma também que estava sendo chantageado.

“Ela sempre me extorquia querendo dinheiro, ‘quero isso’, ‘quero aquilo’. Se eu pudesse voltar atrás…”, afirma.
A mulher dele está grávida.

“Nós pedimos a preventiva tendo em vista que seria uma tentativa de feminicídio e estranhamos a forma como aconteceu. Acreditamos que ele premeditou o crime, tendo ido antes no local”, explica o delegado Luiz Carlos de Oliveira.

Um inquérito policial foi instaurado para investigar o caso. Ainda de acordo com o delegado, o suspeito deve ser indiciado por tentativa de feminicídio.

Nesta quinta-feira (30), o suspeito permanece preso na carceragem da delegacia de Quatro Barras, na Região Metropolitana de Curitiba, responsável pelas investigações.

comentários

Outras Notícias

Veja também