Rio Branco, Acre,

dondola2

Jornalista Vinícius Dônola será palestrante no lançamento do 6º Prêmio de Jornalismo do MP

dondola2prêmio

PUBLICIDADE

dondola2O jornalista da Rede Record, Vinícius Dônola, ministrará palestra no lançamento do 6º Prêmio de Jornalismo do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), que ocorre nesta terça-feira (19), no auditório do MPAC, no anexo I do edifício-sede, a partir das 17h.

Com o tema ‘Transformando Cidadania em Notícia’, mesmo slogan do prêmio, o profissional irá propor discussões entre os participantes sobre a diferença de registro e notícia. É a segunda vez que Dônola participa das atividades do Prêmio de Jornalismo do MPAC. A primeira vez ocorreu na 3ª edição do evento, em 2012, quando, na noite da premiação, ele ministrou a palestra ‘As mudanças do clima e os desafios do século XXI’.

“O que me diferencia de uma câmera de segurança? De uma pessoa com câmera de celular? Qual sua capacidade de apurar, de checar, de questionar e ouvir o contraditório, de entender a dinâmica do fato, cobrar o que tem de ser cobrado e de produzir do registro a notícia?”, questiona.

Outro assunto abordado, em visita à Procuradoria-Geral de Justiça, nesta segunda-feira (18), foi o desenfreado crescimento de usuários nas redes sociais. Ele diz que os jornalistas devem saber lidar com os avanços dos conteúdos na internet.

“Que bom termos novos parceiros para nos ajudar nas informações; porém, devemos saber lidar com isso. São mais de 450 milhões de usuários mensalmente ativos no WhatsApp, dos quais, 70% fazem uso do aplicativo diariamente. É um serviço que ganha um milhão de novos usuários por dia. Nós, do telejornalismo, do radiojornalismo, da imprensa escrita e das mídias digitais, como vamos trabalhar com isso?”, abordou.

Prêmio

O objetivo do Prêmio de Jornalismo do MPAC é estimular, divulgar e prestigiar os trabalhos jornalísticos veiculados na imprensa sobre a atuação da instituição. O prêmio tem também a finalidade de contribuir para o melhor entendimento, pela sociedade e pelo poder público, sobre a importância das atividades e da função social do Ministério Público.

Podem concorrer ao Prêmio de Jornalismo do MPAC, matérias publicadas no período entre 1º de janeiro/2015 e 30 de novembro/2015. As produções jornalísticas devem abordar temáticas referentes à atuação do MPAC na defesa dos interesses da sociedade e, ainda, às políticas públicas que contemplam as áreas de atuação do MP acreano.

Com uma proposta diferente dos anos anteriores no quesito avaliação, os trabalhos receberão bonificações na nota final de acordo com a data de inscrição. Até 31 de julho, 15%; até 28 de agosto, 10%; até 25 de setembro, 7%; até 30 de outubro, 5%; e até 6 de novembro, 3%. Os trabalhos inscritos a partir do dia 7 de novembro não receberão bonificações.

As categorias para premiação permanecem as mesmas: Jornal Impresso, Telejornalismo, Radiojornalismo, Jornalismo Digital, Destaque Acadêmico e Fotojornalismo.

As fichas de inscrição e o regulamento já estão disponíveis no site do Prêmio de Jornalismo do MPAC.

A cerimônia de premiação será realizada em dezembro, no buffet Afa Jardim, em Rio Branco.

Perfil do palestrante

A oportunidade de um estágio não remunerado levou o repórter Vinicius Dônola à TV Metrópole, emissora ligada à extinta Rede Manchete de Televisão, em Campinas, interior de São Paulo, em abril de 1987. Dois anos depois, em 1989, foi transferido para a TV Manchete de São Paulo, onde ficou até se mudar para Portugal. Concluiu seus estudos na Escola Superior de Jornalismo do Porto em julho de 1992 e regressou para a Manchete.

Em 1993, comecou a trabalhar para a Rede Globo, inicialmente, em São José dos Campos, interior paulista e, depois, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Foi repórter especial da Central Globo de Jornalismo por quinze anos, durante os quais se dividiu entre Jornal Nacional, Globo Repórter e Fantástico. Nos últimos três anos, dedicou-se exclusivamente ao Fantástico como repórter e editor.

Levantamento feito na Central de Documentação da Rede Globo mostra que, de 1993 a 2007, assinou um total de 1003 reportagens para a emissora. Além das matérias gravadas em vinte e cinco estados brasileiros, fez coberturas na Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Honduras, República Dominicana, Estados Unidos, França, África do Sul e Antártida.

Mudou de emissora em maio de 2008. Ainda no Rio de Janeiro, participou da criação do Núcleo de Reportagens Especiais da Rede Record. Pelo Núcleo carioca, viajou para os Estados Unidos, República Dominicana, Rússia e Canadá, onde cobriu as Olimpíadas de Vancouver – a primeira grande cobertura dos Jogos de Inverno da televisão brasileira.

Em agosto de 2010, assumiu o cargo de correspondente da Rede Record em Nova York. Além da cobertura de fatos de relevância internacional, gravou matérias e séries especiais no interior dos Estados Unidos, Canadá e México. Participou da equipe enviada ao México pela Rede Record para a cobertura dos Jogos Panamericanos de Guadalajara.

Em seu perfil, ele se diz inquieto e sempre em busca de novos desafios, certo de que o bom jornalismo dá audiência, credibilidade e, sobretudo, zela pelas liberdades individuais do cidadão e pelo Estado de Direito Democrático.

Ao longo de sua carreira, ganhou vários prêmios, como o Prêmio Tim Lopes, de jornalismo investigativo, e o Prêmio Vladimir Herzog, concedido anualmente a profissionais e veículos de comunicação que se destacaram na defesa da cidadania e dos direitos humanos e sociais.

Em março de 2009, foi contratado pela Rede Record, sendo apresentado oficialmente no Jornal da Record em 8 de maio, onde foi correspondente em Nova York.
Vinícius também é autor da série de livros infantis O Oco do Toco, ao lado da jornalista Roberta Salomone, sua esposa. O primeiro volume virou peça teatral, percorrendo diversas cidades brasileiras desde 2007.​

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up