Rio Branco, Acre,


Férias e feriados: cuide dos bichos de estimação durante longas ausências

Se o animal for bravo ou estranhar desconhecidos, faça uma adaptação antecipada com o cuidador. Geralmente não há restrições de idade, raça e até de espécie a ser cuidada, pois há "pet sitters" que se responsabilizam, inclusive, por animais silvestres.

Gatos, cães, tartarugas... nunca se ausente e deixe o bicho sem cuidado por muito tempo
Gatos, cães, tartarugas… nunca se ausente e deixe o bicho sem cuidado por muito tempo

Se você tem um animal de estimação e vai se ausentar de casa por uns dias, vai precisar de um cuidador ou um local adequado para hospedá-lo.

E o primeiro passo para manter a saúde e evitar que os cães e gatos sofram é respeitar o limite do seu amigão: cachorros suportam razoavelmente bem a falta do dono por até 45 dias, mas os bichanos não são tão independentes, sentindo com mais rapidez à ausência. No entanto, essas expectativas variam de indivíduo para indivíduo, como afirma a veterinária Andressa Gontijo. Além disso, quanto menos a rotina do pet for alterada, menos traumática é a separação temporária.

PUBLICIDADE

Peça ajuda

Uma opção é pedir a ajuda de amigos, familiares, de um vizinho, do zelador ou da faxineira para cuidar, diariamente, seja do papagaio ou do cãozinho. Essa é uma boa alternativa, pois diminui o estresse do animal, que se mantém em seu próprio ambiente e com pessoas queridas e conhecidas.

Se o cuidador da vez topar enfrentar a responsabilidade, explique os hábitos do seu pet, indique o local onde a comida está armazenada e deixe quantidade suficiente para alimentar o bicho durante todo o período. Crie um manual (verbal ou escrito) que trate da frequência e do montante das porções, bem como do local de evacuação das fezes e da urina e da higiene corriqueira deste espaço.

Fale sobre eventuais medicamentos, providencie o abastecimento “da farmacinha” e anote doses e horários de administração. Também instrua o cuidador se e onde o bicho deve passear e informe se ele estranha outros animais e pessoas. Por precaução, deixe o contato do veterinário à mão.

Particularidades

Qualquer bicho precisa de cuidado, mas, em geral, o trato com os gatos é mais simples: basta estar atento à alimentação e à troca da areia. Porém, atenção extra é necessária para que as janelas estejam sempre fechadas, caso não sejam protegidas por telas. A veterinária Mônica Ungar cria três gatos e dois cachorros e alerta: “A cada vez que o cuidador deixar a casa, ele deve sempre se certificar de que o gato não está preso em algum canto.”
Se o seu animalzinho de estimação for um pássaro, o trabalho se resume a alimentar, trocar a água e higienizar a gaiola. E se o bicho foi um peixe, a manutenção pode ser (até) autossuficiente: basta limpar o aquário antes da partida e instalar um alimentador automático que administrará as porções de ração por até 30 dias. Mas atenção! Teste o apetrecho antes de usá-lo definitivamente e evite acidentes.

Muitas vezes, porém, não se pode ou se quer dar trabalho aos amigos, familiares e vizinhos. Nessas horas, a saída é contratar cuidados profissionais. Todavia, é comum sentir insegurança em deixar o bicho de estimação com estranhos ou fora de casa, se o cuidador não é alguém próximo e que já gosta do bichinho. Por isso teste por um dia, ao menos, qualquer opção a seguir, antes de contratar o serviço. Observe como o pet volta e se foi bem tratado, pois confiança é fundamental.
“Pet sitter”

O “pet sitter” vai à casa do animal, seja ele um cão ou uma tartaruga e não só o alimenta e medica, como passeia e faz atividades com os bichinhos, no caso de gatos e cachorros. A vantagem é que “sendo profissional, conhece as diretrizes básicas de higiene e segurança”, afirma Ungar. Para a rotina diária, as regras se repetem: deixe disponível todos os pertences e informações sobre o bicho.

Antes de contratar, conheça pessoalmente o profissional que cuidará do animal de estimação e pesquise: peça referências, busque por reclamações em sua rede pessoal e na internet e faça um contrato que estabeleça os serviços prestados e as áreas da casa que o cuidador pode acessar, além de deixar autorizada a entrada no condomínio, caso more em um.

Se o animal for bravo ou estranhar desconhecidos, faça uma adaptação antecipada com o cuidador. Geralmente não há restrições de idade, raça e até de espécie a ser cuidada, pois há “pet sitters” que se responsabilizam, inclusive, por animais silvestres.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up