Rio Branco, Acre,


Médicos residentes do Acre realizam paralisação de 24 horas nesta quinta

A paralisação é realizada em todo o Brasil

Os médicos residentes realizam uma paralisação de 24 horas nesta quinta-feira (24) para reivindicar mais investimento e melhorias na estrutura dos hospitais. Eles ainda exigem o reconhecimento dos preceptores pelo papel desempenhado em ensinar os profissionais que estão aprendendo uma especialidade. Apenas 30% dos profissionais que atendem os serviços de urgência emergência continuarão desempenhando as atividades.

Segundo o representante dos Médicos Residentes do Estado do Acre, João Abomorad, o objetivo é reivindicar uma estrutura que possa garantir o atendimento à população e a aprendizagem aos profissionais. A paralisação é realizada em todo o Brasil, de acordo com a assembleia organizada pela Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR).

PUBLICIDADE

A mobilização contará com um ato solidário de doação de sangue, ação que contribuirá para o aumento do estoque de sangue no Estado. A classe ainda terá uma audiência às 10 horas com um deputado estadual com o objetivo de pedir o apoio do parlamentar para as reivindicações. Uma panfletagem também será organizada para mostrar para a população os motivos da mobilização.

Os médicos residentes também estão exigindo isonomia da bolsa de estudos com a bolsa ofertada no Provab e Programa Mais Médicos.

O presidente do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC), José Ribamar Costa, afirmou que apoia o movimento que visa a melhoria dos serviços de saúde, garantindo mais estrutura e mais qualidade de atendimento.

“O movimento dos médicos residentes é legítimo e tem o apoio do Sindmed que estará sempre ajudando os nossos futuros especialistas nessa luta pela melhoria da saúde e do ensino médico no Brasil, além de demonstrar clara valorização do preceptor, que é o responsável de ensinar os residentes”, finalizou o sindicalista.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up