Rio Branco, Acre,


Oposição usará CPIs para acelerar impeachment de Dilma

Após coletar mais de 800 mil assinaturas online ao movimento pró-impeachment, partidos de oposição na Câmara dos Deputados definiram nesta segunda-feira (14) estratégia para acelerar o processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT).

Além de endossar o pedido de impeachment do advogado paulista Hélio Bicudo, que deverá ser reapresentado na próxima quinta-feira (17), os deputados federais preparam um movimento casado para desestruturar na próxima semana a tropa de choque do Palácio do Planalto e causar o que chamam de “dias de caos”.

PUBLICIDADE

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), devolveu nesta segunda-feira (14) todos os treze pedidos de afastamento que tramitavam na Casa Legislativa, inclusive o do fundador do PT, para adequação de “requisitos formais”.

“Eu estou aprimorando a peça para reapresentá-la”, disse o advogado à Folha.

No mesmo dia, o líder do PSDB na Casa Legislativa, Carlos Sampaio (SP), visitou o jurista em São Paulo para discutir o aprimoramento do documento e sua readequação às normas do Congresso Nacional. Na noite do domingo, o advogado paulista também teve encontro com o líder do DEM no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO).

“Como outros fatos ocorreram depois que ele protocolou o pedido, seria interessante fazer um adendo ao documento original.

Eu acredito que o pedido dele terá o apoio da maioria do Congresso Nacional”, disse o senador.

Nesta terça-feira (15), haverá uma reunião dos líderes de oposição para decidir se apenas endossarão ou se assinarão junto com o advogado paulista o pedido de afastamento, o que seria apenas protocolar. Em seguida, a decisão será levada ao presidente da Câmara dos Deputados.

ACORDO

Cunha tem tentado se descolar do processo de impeachment, mas há meses conversa nos bastidores sobre a possibilidade da presidente não concluir o mandato e toda a manobra oposicionista tem passado por suas mãos.

Já existe, inclusive, um acordo sobre os procedimentos a serem adotados assim que os partidos de oposição apresentarem o pedido de impeachment do jurista paulista. A ideia é que, para se isentar do ônus político da decisão e retirar suas impressões digitais, o peemedebista negue o pedido de impeachment, o que gerará um recurso ao plenário.

É nesse momento que entrará em prática a estratégia de desestabilizar a base aliada de Dilma Rousseff.

Em uma operação casada, as três CPIs da Câmara dos Deputados controladas por Cunha -Petrobras, BNDES e Fundos de Pensão- devem colocar em votação simultânea requerimentos polêmicos, entre eles a convocação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O movimento tem como objetivo forçar a tropa de choque governista a concentrar sua atuação nas comissões de inquérito e forçar seu afastamento do plenário da Casa Legislativa, tirando seu foco da votação do recurso de impeachment da presidente que precisa dos votos da maioria simples para ser aprovado.

A operação foi pensada em conjunto com Cunha, que tem o poder de definir as pautas e a ordem delas no plenário da Casa Legislativa.
As CPIs da Petrobras e do BNDES já têm requerimentos de convocação de Lula protocolados à espera de aprovação. Na CPI dos Fundos de Pensão, um pedido para que o petista seja ouvido deve ser apresentado ainda nesta semana.

“A convocação do Lula é de alguém que se fez de amigo, mas extorquiu as empresas do país”, criticou o deputado federal Fernando Francischini (SD-PR), autor de um dos pedidos de convocação do petista.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up