Rio Branco, Acre,


Peru investiga se empreiteiras da Lava Jato pagaram propina por obras da Interoceânica

Autoridades identitificaram 35 contratados empresas brasileiras nos governos de Alan Garcia, Alejandro Toledo e Hollanta Humala

LulaeAlanGarcia
Rodovia foi executada pela Odebrecht durante o governo Lula – Foto: Agência Brasil

Os desdobramentos da Operação Lava Jato caminham para extrapolar as fronteiras do Brasil e atingir os países vizinhos. E o primeiro a sentir seus impactos é o Peru. Parlamentares peruanos vão começar investigações para saber se as empreiteiras envolvidas no maior esquema de corrupção do Brasil também pagaram propina e corromperam seus agentes públicos em troca de obras, entre elas a Rodovia Interoceânica.

Capitaneada pelo ex-governador e hoje senador Jorge Viana (PT), a estrada tinha como promessa ser o principal corredor brasileiro para exportações via Oceano Pacífico, no Peru. Do lado do Brasil a rodovia é a BR-317, cujas obras até a fronteira peruana foram iniciadas e concluídas no governo Fernando Henrique Cardoso.

PUBLICIDADE

Já o trecho do país vizinho, que tinha como desafio cortar a Cordilheira dos Andes, foi iniciado na gestão Luiz Inácio Lula da Silva e executada pela Odebrecht. O presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht, foi preso pela Polícia Federal na Lava Jato acusado de participar do esquema de corrupção na Petrobras.

Segundo o jornal “Fato Online”, os parlamentares do Peru ainda vão investigar as empreiteiras Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, OAS, Queiroz Galvão e  Engevix – todos os seus respectivos executivos também estão na carceragem da PF em Curitiba.

Autoridades do Peru encontraram 35 contratados de obras firmados com as brasileiras desde 2004, e que agora serão alvo de investigação. Metade deles são de obras rodoviárias. As investigações vão abranger obras executadas pelos governos de Alan Garcia, Alejandro Toledo e Hollanta Humala.

Segundo o site “Fato Online”, a Operação Lava-Jato ganhou repercussão no Peru após a prisão do ex-ministro José Dirceu. Ele é suspeito de manter negócios com a brasileira Zaida Sisson, mulher do ex-ministro de Agricultura do Peru Rodolfo Beltrán Bravo durante a administração do ex-presidente Alan Garcia. Conforme as investigações da PF, Zaida servia como um elo do petista em negócios da Engevix no Peru.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up