Rio Branco, Acre,


Timor-Leste aprova novos Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável

O chefe do governo timorense destacou a necessidade de estimular parcerias para chegar a esses objetivos.

imagesO Timor-Leste tornou-se hoje (21) um dos primeiros países do mundo a reconhecer os novos Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável, um conjunto de 17 metas que devem ser aprovadas esta semana na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

O primeiro-ministro timorense, Rui Maria de Araújo, disse que o governo aprovou, no Conselho de Ministros, uma resolução para reconhecer formalmente esses objetivos, bem como a criação de um mecanismo para a sua implementação em nível nacional.

PUBLICIDADE

Os objetivos (GGSD, na sigla em inglês) foram negociados ao longo dos últimos anos e deverão ser aprovados pelos 193 Estados que participam da reunião, nesta semana, em Nova York. Abrangendo diversas áreas, pretendem alcançar, nos próximos 15 anos, três grandes metas, principalmente o fim da pobreza extrema, o combate à desigualdade e injustiça e a redução das alterações climáticas.

Rui Araújo falou em uma conferência sobre a perspectiva do G7+ para a agenda de desenvolvimento pós-2015, realizada nesta segunda-feira em Díli pelo Ministério das Finanças timorense em parceria com a Foreign Policy Forum.

Com sede em Díli, o G7+ é uma organização intergovernamental que reúne países considerados frágeis, que recentemente passaram por conflito e hoje partilham experiências no processo de desenvolvimento.

A organização estimulou a inclusão, entre os GGSD, do Objetivo 16 que defende a promoção de “sociedades pacíficas e inclusivas para um desenvolvimento sustentável”, providenciando a todos acesso à Justiça e a construção de “instituições inclusivas e responsáveis em todos os níveis”. O chefe do governo timorense destacou a necessidade de estimular parcerias para chegar a esses objetivos.

Hélder Lopes, vice-ministro das Finanças, destacou os progressos que a organização tem registrado nos últimos anos. “É encorajador ver que os membros do G7+ partilham experiências e se ajudam em áreas como paz e reconciliação, gestão de recursos naturais e gestão fiscal”, afirmou.

Atualmente, o G7+ conta com 20 membros da África e da Ásia: Afeganistão, Burundi, Chade, Cômoros, Costa do Marfim, Guiné, Guiné-Bissau, Haiti, Ilhas Salomão, Libéria, Papua Nova Guiné, Republica Centro-Africana, República Democrática do Congo, São Tomé e Príncipe, Serra Leoa, Somália, Sudão do Sul, Timor-Leste, Togo e Iêmen.

Até maio de 2014, a presidência do bloco era exercida pela ex-ministra das Finanças timorense Emília Pires, que foi substituída no cargo por Kaifala Marah.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up