Vídeo mostra mulher passando mal durante protesto contra a falta de médicos na UPA do Sobral


Relatos disseram que mais de 100 pessoas esperavam por atendimento do único médico disponível na unidade de saúde

REDAÇÃO CONTILNET

“Isso é uma pouca vergonha nesse Estado!”, gritava uma cidadã indignada na UPA do bairro Sobral na noite da última sexta-feira (9). Segundo os relatos, mais de 100 pessoas aguardavam por atendimento na unidade de saúde, onde havia apenas um médico para atender a centena de cidadãos necessitados.

Saiba mais: Upa da Sobral fica sem médico por mais de 12 horas e populares fecham rua em protesto

Quando a indignação coletiva se transformou em protesto, a situação foi marcada por um bloqueio da rua formado por todos que aguardavam atendimento na unidade de saúde.

População se indignou e exigiu mais médicos na UPA do bairro Sobral. Foto: Reprodução

Uma das participantes do protesto encaminhou fotos à equipe da ContilNet pedindo que a situação chegasse às autoridades que comandam o setor da Saúde no Estado. “Disseram que o médico só ia começar a atender 21 horas, por isso decidimos deixar a rua fechada até que o secretário de Saúde venha até aqui”, disse Maria Luciene, que aguardava atendimento desde 9 horas do mesmo dia.

Em vídeo enviado por um dos participantes do protesto, uma mulher aparece desfalecida, sendo carregada para atendimento emergencial. Ainda de acordo com a testemunha, cerca de três médicos foram encaminhados quando o protesto começou a repercutir nas ruas e nas redes sociais.

Um morador indignado lembrou que as eleições estão chegando, e que eles irão responder À altura: “É saúde de primeiro mundo isso? Não é! Vão ganhar o que a Luzia ganhou na capoeira. O povo não tem uma dipirona”, disse outro cidadão que aguardava atendimento.

200 PROFISSIONAIS?

A UPA do bairro Sobral, que tem gestão compartilhada entre Prefeitura de Rio Branco e Governo do Acre, custou R$ 2,2 milhões. A obra, que tem 1.712,43 metros quadrados, foi inaugurada no dia 4 de julho de 2014 com o objetivo de atender a população de toda a Baixada e também da estrada Trannsacreana. Na época, o governo e a prefeitura de Rio Branco garantiram que cerca de 200 profissionais estariam prontos para trabalhar na unidade.

comentários

Outras Notícias

Veja Também