“Estado perdeu R$ 2 milhões em recursos para o colégio militar “, diz deputado


Rocha disse que vai denunciar o caso em todas as instâncias no sentido de responsabilizar Tião Viana e Emylson Farias

ASCOM

Incompetência administrativa e perseguição contra o próprio povo do Estado do Acre. Assim o deputado federal Major Rocha (PSDB) classificou a leniência do governador Tião Viana e do ex-secretário de segurança, Enylson Farias, que resultou na perda de R$ 2 milhões para a implantação do colégio militar.

Mesmo com a emenda apresentada, liberada, empenhada, o projeto aceito pela gestão do Programa Calha Norte, o Estado do Acre não apresentou os requisitos finais e dois anos depois os recursos não mais estão disponíveis para o estado.

Faltou competência?

Ainda em 2016 Tião Viana assinou o convênio para o recebimento da emenda, com o plano de trabalho para usar os recursos no Colégio Humberto Soares, mas mesmo sendo pedido apenas plano de trabalho, já assinado, a licença ambiental e o documento do terreno, o prazo terminou e o recurso foi perdido.

Para responder pela programa das escolas militares, Tião Viana nomeou o então secretário de Segurança, Emylson Farias por intermédio do Decreto n° 3.621/2015, para gerir o convênio. “Esse mesmo Emylson que disse não precisar da Polícia Militar do Estado do Acre [PMAC], e agora é o responsável pela perda dos recursos tão necessários para o povo do Acre”, completou Rocha.

Governo perseguidor atinge ao povo

“Este governo perseguidor usam de interesses políticos para atingir tentar a oposição e finda por prejudicar a população. Perdem recursos financeiros importantes fazendo perseguição aos parlamentares que não pedem a benção a eles e prejudicam o nosso maior patrimônio: os jovens em idade escolar.

Como a questão estava se arrastando por muito tempo, por várias vezes o deputado federal Major Rocha e a diretoria da Associação dos Militares do Estado do Acre (AME/AC) oficiaram ao então responsável pelo projeto, Emylson Farias, mas sem resposta.

Recurso perdido: R$ 2 milhões

Após esta espera e muita cobrança, somente em 29/03/2018 (1 dia antes do final do prazo) o Governo do Estado encaminhou os dados solicitados, mas modificou o plano de trabalho já aprovado, com alteração de local e de obras.

Linha do Tempo da perda dos R$ 2 milhões para o colégio Militar/Foto: reprodução

Apenas em 10/04/2018, após encerrado o prazo concedido pelo governo federal, o deputado Rocha foi informado das mudanças e da necessidade alegada pelo Estado de mais recursos para a obra.

Em 03/04/2018 o projeto foi definitivamente reprovado e a emenda foi perdida, na sua totalidade. “Eles costumam fazer isso. Fizeram assim com uma emenda de R$ 4 milhões do Alan Rick para o hospital de Sena Madureira e perderam o dinheiro”.

Rocha disse que vai denunciar o caso em todas as instâncias no sentido de responsabilizar Tião Viana e Emylson Farias: “Vou procurar responsabilizar pela perda dos recursos.”

Colégio militar, um sonho mais distante

“O Colégio Militar sempre foi um sonho de todo acreano que acredita na educação. Infelizmente o governo do Acre agiu com desinteresse e perdeu uma emenda importante que auxiliaria a implantação daquele colégio, que atenderia não só aos estudantes oriundos da família militar, mas a toda população acreana” frisou Rocha

Rocha lamentou o fato do Governo estar com dezenas de obras paralisadas por falta de recursos públicos: “E ainda assim o ex-secretário de segurança, Emylson Farias deixe escorrer pelo ralo do esgoto do mau gestor uma emenda de R$ 2 milhões, que coloquei em 2015 para implementação do Colégio Militar do Acre.”

Outras Notícias

Veja Também