Curso prepara engenheiros e estudantes para elaborar sistema contra raios e descargas atmosféricas


O Brasil é o país que mais recebe raios e nesse sentido, as construções civis precisam de profissionais capacitados

PUBLIEDITORIAL

O curso de Sistema de Proteção de Descarga Atmosférica (SPDA) chega a Rio Branco e permite ao aluno e profissional de Engenharia Civil, um conhecimento das técnicas de sistemas de proteção contra descargas atmosféricas, os distúrbios elétricos e também as consequências nos sistemas de energia.

É um curso indispensável para todo o profissional da área elétrica e certamente os conceitos passados contribuirá no dia a dia tanto para instalação e manutenção.

Quantitativamente, a região amazônica é a que mais recebe raios no Brasil/Foto: Reprodução

De acordo com o engenheiro e presidente da Supra Energia, Renato Pinho, que facilitará o extensivo na capital acreana, o Brasil é o país que mais recebe raios e nesse sentido, as construções civis precisam de profissionais eletricistas, engenheiros civis e engenheiros elétricos capacitados para trabalhar com medidas de proteção, preservando a vida das pessoas.

“Não é apenas instalar para-raios como se pensava há alguns anos. É preciso que haja toda uma esquematização, porque não é tão simples como se imagina, proteger uma casa ou empresa dos raios que atingem especificamente a região Amazônica, com mais frequência”, explicou.

Descarga atmosférica é definida na NBR 5419 (Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas) como uma descarga elétrica de origem atmosférica entre uma nuvem e a terra ou entre nuvens, consistindo em um ou mais impulsos de vários quiloampères. Para os leigos as descargas atmosférica seriam os raios, apesar de tecnicamente segunda a mesma norma o raio ser apenas um dos impulsos elétricos de uma descarga atmosférica para a terra.

É interessante saber que não existem meios práticos (de acordo com normas vigentes) que impeçam a queda de uma descarga atmosférica sobre estruturas, edificações e equipamentos, sendo desta forma todas as soluções utilizadas em SPDA, formas de se amenizar o efeito possivelmente destruidor de uma destas descargas atmosféricas.

Renato acrescentou a importância da participação de acadêmicos na formação, levando em consideração que o mercado exige algumas competências necessárias para a área de prevenção.

O engenheiro considera importante a participação de alunos e profissionais da engenharia civil e elétrica/Foto: Reprodução

“Quando nos preocupamos com a formação desses profissionais, estamos, ao mesmo tempo, nos preocupando com a vida das pessoas, que não podem correr sérios riscos. Muitos morrem no país, vítimas de descargas atmosféricas e, por esse motivo, essas necessidades precisam ser atendidas”, concluiu.

O extensivo será realizado no auditório da escola Armando Nogueira, do dia 18 a 23 de junho, nos horários de 13h às 17h e 18h às 22h.

O valor da inscrição é de R$ 600,00 para profissionais e R$ 120,00 para alunos, podendo ser realizada pelo site, por e-mail ([email protected]) ou pelos telefones (21) 99612-3654/ (21) 2234-2040.

As inscrições vão até o dia 10 de junho.

comentários

Outras Notícias

Veja Também