Em resposta à coluna, secretária de Turismo prefere falar do óbvio a esclarecer o essencial


Rachel Moreira justificou a importância de um site turístico, mas não comentou a exorbitância do valor a ser pago por ele

Foto capa REDAÇÃO CONTILNET

Resposta

A propósito da edição anterior – na qual informamos que a Secretaria de Turismo (Setul) vai desembolsar 37 mil reais para que a empresa Braso Soluções Informáticas desenvolva um website sobre ‘o destino do Acre –, a secretária Rachel Moreira enviou uma mensagem à coluna, pedindo direito de resposta.

Réplica  

Sob o título ‘Direito de resposta’, Rachel Moreira faz uma série de considerações sobre a importância de se criar um site para o fortalecimento do setor turístico, candidato, segundo ela, a anabolizar o processo de fortalecimento da economia local. Sua tese de que o setor anda aquecido se baseia em dados cujas fontes, porém, ela não quis ou se esqueceu de citar.

Íntegra

Opto por publicar a nota na íntegra, para só em seguida tecer os comentários que considero pertinentes ao caso. Leia a seguir o texto enviado ao colunista.

Corolário

“Vejo matéria (sic) na ContilNet falando sobre estarmos fazendo um site de promoção do Acre há (sic) 8 meses do encerramento desta administração. Fico triste que as pessoas achem que no estado, políticas públicas, tem (sic) que acabar de uma gestão pra outra. O setor de turismo precisa continuar crescendo em 2019. Para a maioria dos empresários muito pouco importa quem é o secretário, mas importa que ele possa continuar trabalhando, sustentando sua família e vendo sua empresa crescer.

O site em questão, mesmo bancado por recursos públicos, é voltado para apresentar o Trade ao turista e surge a partir de resultados de pesquisas, que  apontam uma média de 74% dos turistas [que] planejam sua viagem com dados da internet, referentes a Hotéis (sic), agência, bares e eventos, dessa forma, as atividades no setor de turismo no Acre precisam estar divulgadas na rede”.

Óbvio ululante

A primeira afirmação de Rachel Moreira, quanto à necessidade de que as políticas públicas devam ser mantidas, a despeito da alternância dos governos, é tão precisa quanto também vem a ser comum a prática do partido ao qual ela pertence de demonizar as ações dos antecessores e descaradamente se apropriar, mudando-lhes os nomes, do que lhes foi legado de importante.

Detalhes históricos

Ou alguém aí já esqueceu que o programa Luz Para Todos começou, no governo de Fernando Henrique Cardoso, como Luz no Campo, e que o Bolsa Família não passa da junção de programas de distribuição de renda criados também no governo do tucano, à época batizados ‘Renda Mínima’, ‘Bolsa Alimentação’, ‘Auxílio-Gás’ e ‘Programa Nacional de Acesso à Alimentação’?

Contraste

O tom republicano da secretária, em sua mal disfarçada malevolência contra o colunista, também contrasta com a inclinação do atual governador Tião Viana de socorrer as prefeituras administradas pelos correligionários, ante o desprezo que dispensa às demais. E um exemplo disso é Mâncio Lima, no Juruá, município beneficiado por obras que costumam ser negadas aos demais prefeitos da região, já que integrantes de partidos adversários do PT.

Excerto

Da resposta dada pela Sra. Rachel Moreira, sou obrigado a pinçar uma frase interessante. Diz ela que “O setor de turismo precisa continuar crescendo em 2019”, do que se depreende que o segmento apresentou bons resultados em 2017, e tende a repetir esse feito neste promissor ano de 2018. Só faltaram os dados capazes de comprovar que o Acre se transformou na Meca dos viajantes, ávidos por conhecer nossas belezas naturais e testemunhar, quem sabe, os milagres consumados em duas décadas de petismo.

Lapso

Faltou ainda, na resposta de dona Rachel, explicar por que tanto tardaram, ela e seus subordinados, em chegar à conclusão tão banal, por sua vez baseada nos dados por ela própria mencionados de relance, segundo os quais vem a ser imprescindível a criação de uma ferramenta digital capaz de turbinar o turismo por estas bandas.

Nada a declarar

Mais grave que a pachorra dos burocratas estatais, só mesmo a constatação de que nenhuma palavra sequer foi dita sofre o preço cobrado pelo desenvolvimento do website, cujo contrato firmado entre a Setul e a empresa Braso foi estabelecido em salgadíssimos 37 mil reais.

Contas abertas

Ah, e só mais um detalhe: em 2017, a secretária Rachel Moreira, cujo salário ultrapassa a casa dos 20 mil reais mensais, recebeu mais de 36 mil reais em diárias. Cinco delas, aliás. lhe foram pagas por viagem que vez à Alemanha. A trabalho.

comentários

Outras Notícias