Mais 20 servidores são demitidos do hospital Regional do Juruá e Sintesac mantém greve


As atividades no Hospital Regional do Juruá continuam paralisadas em uma greve até a diretoria da Anssau negociar coletivamente

ASCOM SINTESAC

A situação da saúde pública na cidade de Cruzeiro do Sul e entorno agrava-se cada vez mais a cada dia com a intransigência da Associação Nossa Senhora da Saúde (Anssau). As atividades no Hospital Regional do Juruá continuam paralisadas em uma greve até a diretoria da Anssau negociar coletivamente com o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac) e cessar as perseguições aos servidores.

Sem negociação, servidores paralisam atividades/Foto: reprodução

Na terça-feira (22) os servidores cruzaram os braços por estarem cansados do assédio moral ao obrigar os servidores a assinarem um contrato individual de trabalho, aumentando a carga horária de trabalho, bem como as péssimas condições de trabalho no hospital.

Sintesac: apoio total aos servidores

Conforme revelou o vice-presidente do Sintesac, Jean Marcos Lunier, o movimento de greve na Anssau continua e fica mais forte com o passar dos dias: “Os servidores estão tendo de dobrar a carga horária por falta de pessoal para o atendimento. E mesmo com isso, o hospital continua demitindo. Agora, de uma só vez, foram demitidos mais 20 servidores e sobrecarregando ainda mais aqueles que ficaram”.

Greve dos servidores está mantida/Foto: Ascom Sintesac

Jean destacou que a isso se somam a falta de condições de trabalho e materiais básicos, bem como os salários achatados e as perseguições dentro da unidade: o servidor sequer pode reclamar de seu salário e da carga absurda de trabalho por risco de demissão.

Greve sem data para acabar

“Além disso, a Anssau tem obrigado os servidores a assinarem um contrato de trabalho individual sob o risco de demissão. É por conta destas graves situações que o Sintesac está junto com os trabalhadores da Anssau em uma greve sem data para terminar”, destacou.

Segundo Jean, os trabalhos só voltam ao normal quando a empresa atender à reivindicação dos servidores e negociar os contratos de trabalho de forma coletiva com o Sintesac.

Greve está mantida por tempo indeterminado/Foto: Ascom Sintesac

comentários

Outras Notícias

Veja Também