Denuncia revela humilhações, favorecimentos, descaso e atraso de pagamentos em secretaria do governo


"Todo o poder emana do povo, não deixe que eles esqueçam disso", alerta "V" em e-mail enviado à ContilNet

REDAÇÃO CONTILNET

Através do codinome “V”, uma denúncia chegou à caixa de entrada do portal ContilNet. Na “pequena sequência de fatos” escrita no e-mail, “V” acusa a Secretaria de Desenvolvimento do Estado do Acre (Sedens) de ter ficado, nos últimos dois anos, à mercê de “uma caricatura de político”.

No relato, além de “humilhações contra funcionários, favorecimentos a filhos e amigos de políticos e inclusão de funcionários-fantasma na folha de pagamento”, é acusado o atraso no pagamento de funcionários ligados ao órgão e a demissão de um deles por “reclamar” sobre o assunto.Resultado de imagem para v for vendetta

“E o que acontece quando um funcionário, que possui esposa e filhos para sustentar, passa mais de um mês sem receber seu salário? (E estou falando de um funcionário vivo, não um fantasma) É normal que este funcionário fique chateado, reclame querendo receber seu devido salário. É aceitável que este funcionário se manifeste nos meios de comunicação da instituição, demonstrando sua insatisfação e até mesmo, veja que lamentável, vendendo sua botija de gás para poder comprar comida para seus filhos. Não é correto que este homem seja demitido por reclamar. O atual gestor tem como única preocupação garantir a manutenção do poder e preservar a imagem de seus padrinhos, inclusive coagindo os funcionários que ainda não foram demitidos a garantir um mínimo de 10 votos para o seu candidato nas próximas eleições. Então se o funcionário não cumpre as regras políticas, se não angaria os votos, se reclama das condições de trabalho, este funcionário não merece o emprego que tem”, disse o denunciante via e-mail.

VIGIA NA SECRETARIA, “ATENDENTE” NA CARTEIRA DE TRABALHO

Junto com o e-mail, foi enviado um número de telefone de um ex-funcionário – que pediu pra ter a identidade preservada – que confirmou a situação de atrasos no pagamento.

“Fui dispensado justamente por isso, por ser um dos funcionários que mais reclama. Minha família é grande, o salário atrasava… Nunca denunciei, mas a vontade era no corpo todo. Minha renda era a única pra família. Nosso salário chegou a quase atrasar por três meses. Nunca recebi em dia um mês sequer”, afirmou o ex-trabalhador da Sedens.

Além do atraso, ele relatou que, enquanto ele e outros funcionários eram contratados para trabalhar como vigia, porém na carteira de trabalho, eram assinados pela empresa terceirizada como “atendentes”, ganhando menos do que o salário adequado.

CARTA AO PÚBLICO

Ao final da denúncia, “V” enviou uma carta para divulgação onde garante que mais “histórias” serão enviadas à mídia.

LEIA NA ÍNTEGRA:

Boa noite, Acre. Permita que eu peça desculpas pelo incômodo. Eu, como muitos dos cidadãos deste estado, aprecio o conforto da rotina diária, a segurança familiar, a tranquilidade da repetição. Eu gosto delas como qualquer outro. Mas no espírito de comemoração, onde importantes eventos do passado geralmente associados à morte de alguém ou ao final de uma guerra sangrenta são comemorados com um belo feriado, eu pensei em marcar este 24 de julho, tomando um pouco do tempo de suas vidas diárias para sentar e conversar.

Existem, é claro, aqueles que não querem que falemos. Desconfio que ordens estejam sendo dadas e homens com mentiras já se ponham a caminho. Palavras oferecem um meio para o significado e para  aqueles que escutam a enunciação da verdade. E a verdade é que existe uma situação totalmente errada neste estado. E este erro é bem anterior à atual crise na segurança.

Muitos de vocês não enxergam mas, todos os dias, o seu dinheiro é derramado sobre o corpo dos poderosos, que agarram o que podem e deixam estragar no chão o que não conseguem carregar.

Se o leitor desta carta é residente do município de Cruzeiro do Sul já deve ter avistado o esqueleto da promessa que foi o Frigorífico de Peixes de CZS, e inalado o odor oriundo da podridão que já tomou conta daquele corpo frio. Ali está o descompromisso do poder público com os interesses do povo, são milhões de reais do seu dinheiro que deveriam ser destinados à ações concretas e necessárias. Hoje o projeto está abandonado, fadado ao esquecimento e à eterna inconclusão por pura e simples falta de gestão.

Ao se aproximar da Capital o cenário não se modifica. Veja ao lado da Cidade do Povo, o Polo Logístico de Rio Branco, milhões de reais gastos na obra, milhões de reais desviados para custear a reforma de prédios privados, e mesmo assim o local continua inerte, sem uso e provando que não podemos deixar nossos recursos nas mãos de quem não é capaz.

Estes são apenas dois pequenos exemplos para demonstrar, para aqueles que ainda não enxergam, que é necessário que tomemos uma atitude.

Todo o poder emana do povo, não deixe que eles esqueçam disso, acreano, mostra a tua força, teu sangue revolucionário, teu passado seringueiro e vá para as ruas. Tome de volta o que é teu.

-V

RESPOSTA DO GOVERNO

A equipe da ContilNet entrou em contato com a assessoria do governo do Estado para saber se as denúncias de atraso nos pagamentos procedem. Obtivemos a seguinte resposta:

A Secretaria de Estado da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis esclarece que não são verdadeiras as informações de humilhações, favorecimento, descaso e atraso de pagamentos neste órgão.

Nunca se fez nenhum tipo de favorecimento como afirmado na suposta denúncia. Além disso, todos os devidos pagamentos se encontram regulares, bem como os procedimentos licitatórios.

É evidente que a denúncia em questão tem caráter politiqueiro, feita de forma anônima.

Se é no anonimato não se deve dar a credibilidade mínima necessária para uma preocupação que pudesse ensejar explicações mais pormenorizadas. Por fim reafirmamos nosso compromisso com a transparência na gestão pública e nos colocamos à disposição para outros esclarecimentos.

Michel Marques

Secretário de Estado da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis

comentários

Outras Notícias

Veja Também