Do mesmo modo que evita avaliar governo de Tião, Marcus Alexandre cala sobre pesquisa


Foto capa ARCHIBALDO ANTUNES, DA CONTILNET

Nada a declarar

O pré-candidato ao governo do Acre pela Frente Popular, Marcus Alexandre (PT), se esquivou de fazer declarações sobre o resultado da pesquisa de intenção de voto realizada pelo instituto Data Control.

Dianteira

Foram ouvidos 1.500 eleitores em sete municípios do Acre. A sondagem, que tem margem de erro de 3 pontos percentuais e intervalo de confiança de 95%, deu uma vantagem de quase 15% para o senador Gladson Cameli (Progressistas) sobre o seu principal oponente.

Chacota

Seis dias atrás, quando revelados os números do Instituto Pontual, cuja sondagem foi feita nos 22 municípios do estado com mais de 6,3 mil eleitores, a militância do PT ironizou o resultado, também favorável a Gladson.

Números

De acordo com esse levantamento, na pesquisa estimulada, Gladson Cameli tinha 37,98% das intenções de voto, contra 32,27% de Marcus Alexandre. Na sequência apareciam o Coronel Ulysses (8,56%), Janaina Furtado (2,32%) e Lyra Xapuri com (0,78%).

Ilusão partida

Recorrendo às redes sociais, os petistas trataram de desacreditar o instituto, preconizando que ele haveria de ser desmentido pelos números de pesquisas posteriores.

O porquê do alarido  

Fora o fato de que o Data Control é reconhecidamente uma empresa séria e que goza de credibilidade em suas sondagens eleitorais, os companheiros tendem a crer mesmo é nos institutos contratados por eles. Se não, vejamos.

Erro crasso

Nas eleições de 2014 no Acre, no segundo turno das eleições para governador, o Ibope divulgou, no dia 25 de outubro, uma pesquisa que dava a Tião Viana dez pontos percentuais de vantagem sobre Marcio Bittar (então do PSDB). Tião aparecia com 55% das intenções de voto, e o tucano, com 45%. Abertas as urnas, a diferença foi de meros 2,58%.

Voz do engano

Na época, contratado pelo PT, o Vox Populi, também em pesquisa feita no decorrer do segundo turno, apontou a vitória de Tião Viana sobre Bittar por uma diferença de 9 pontos percentuais. Repito: as urnas mostraram que tanto o Ibope quanto o Vox Populi erraram feio em suas previsões.

Precisão

O Instituto Delta, em pesquisa encomendada pela ContilNet, divulgou o levantamento que mais se aproximou do resultado final daquele pleito. Às vésperas da votação no segundo turno da eleição para o governo em 2014, Tião e Bittar apareciam tecnicamente empatados – o primeiro com 47,5% das intenções de voto, e o segundo com 46,8%.

Davi e sua funda

Considerada a margem de erro da pesquisa, pode-se afirmar que o Delta desbancou os gigantes Ibope e Vox Populi com seus prognósticos.

Questão de tempo

Ora, é de se esperar que dentro de algumas semanas outro instituto, desta vez contratado por alguma empresa que mantém relações cordiais com o atual governo, apresente números bem diferentes dos que foram divulgados pelo Data Control.

Noves fora, zero

Mas, em isto acontecendo, creio eu, em nada – ou em muito pouco – vai mudar o cenário atual da disputa que está apenas começando.

Pregação no deserto

O silêncio do pré-candidato petista, portanto, é sugestivo. Muito provavelmente porque ele tenha ciência de que, não importa o que diga, sua virtual candidatura se assenta sobre o desgaste do PT no plano nacional – e padece do infortúnio de ter de se apresentar ao eleitor como candidato de um governo marcado pela inércia e reprovado pelo povo.

Comedimento

Já o senador Gladson Cameli (Progressistas), que lidera a sondagem com 43,6% das intenções de voto, foi comedido em comentar o assunto. “Recebi o resultado com muita humildade”, disse ele, acrescentando que não há nada definido ainda e por isso haverá de seguir com o mesmo ritmo de trabalho.

Tiro ao alvo

Quanto ao coronel Ulysses Araújo (PSL), que soma 6% das intenções de voto, sua reação foi menos moderada. Ao brigar com os números como se estivesse a combater os meliantes, o militar acusou a sondagem de ter sido “comprada” e garantiu que o PSL tem sua própria pesquisa, que mostraria um cenário oposto ao apresentado pelo Data Control.

Direito total

Ulysses, a propósito, tem todo o direito de condenar o levantamento, bem como o petista Marcus Alexandre de calar sobre os resultados. Afinal de contas, pesquisa boa e plausível é aquela que apresenta o candidato na frente, não é mesmo?

Chá de sumiço

Leitor da coluna me encontra e pergunta por qual razão a coluna não fala nada sobre o ex-prefeito de Acrelândia Tião Bocalom, pré-candidato a deputado federal nas eleições deste ano. Mas dizer o quê, se ele tomou chá de sumiço?

Em grande estilo

O PSDB prepara para esta terça-feira (25) um evento de lançamento da pré-candidatura da jornalista Mara Rocha à Câmara Federal. A solenidade vai se dar na sede do partido, em Rio Branco.

Todas as fichas

Irmã do deputado Major Rocha, Mara se notabilizou por ancorar, durante décadas, o principal telejornal da TV Gazeta. Seu nome é a grande aposta dos tucanos do Acre para substituir Wherles Rocha no parlamento federal.

Memorável

De volta ao instituto Data Control, na pesquisa espontânea para governador do estado (na qual nenhum nome é sugerido aos entrevistados), o deputado federal Alan Rick (DEM) foi lembrado por 0,1% dos eleitores – empatado com os calejados Tião Bocalom e Jorge Viana.

Prestígio

O fato aponta para o prestígio de Alan Rick, que na Câmara Federal tem feito um trabalho cuja relevância é reconhecida pelos acreanos.

comentários

Outras Notícias