Mãe elogia ação policial após ver filha ameaçada com faca no pescoço; “Vidas nas mãos de Deus”


Moradora do bairro Tucumã foi vítima de assalto duas vezes em menos de três meses

REDAÇÃO CONTILNET

Moradora do bairro Tucumã, Maria Elizabete Crispim, 50 anos de idade, fez um relato emocionado sobre um assalto que ela e a filha sofreram no início do mês.

De acordo com Maria, ao voltarem para casa depois de um longo dia de trabalho, quando viu a filha Fernanda Crispim, 25 anos, ameaçada por um assaltante com uma faca no pescoço. “Ela tinha acabado de pagar a última parcela do celular e resistiu para entregar o aparelho”, relatou Maria.

Fernanda cedeu ao apelo da mãe e entregou o aparelho, porém houve uma perseguição ao assaltante e, com a ajuda da polícia, o criminoso foi detido e o celular recuperado. “Os policiais não mediram esforços em fazer o trabalho deles, e muito bem, por sinal. Fomos bem atendidas na delegacia”, relatou Maria.

A moradora do Tucumã também disse que a situação do homem que assaltou Fernanda também é preocupante, pois ela descobriu que ele é morador de rua e que vive debaixo de uma ponte com uma mulher e uma criança que seria sua filha.

“Nos resta tomar cuidado e entregar nossas vidas nas mãos de Deus”, disse Maria.

Leia o relato emocionado de Maria na íntegra:

“Essa noite, às 23h30, quando voltávamos pra casa depois do trabalho, fomos assaltadas pela  segunda vez em menos de 3 meses.

O assaltante agarrou minha filha Fernanda Crispim e com a faca em cima dela ordenava que ela entregasse o celular. Ela tinha acabado de pagar a última parcela do celular com fruto do trabalho dela relutava em entregar e ele ficava mais agressivo.

Eu apavorada pedia para que ela entregasse o celular.

Ela entregou e ele saiu. Impulsiva, saiu correndo atrás dele e gritando. Eu a segui e como era próximo à policlínica, logo muita gente se juntou a nós e alguns policiais começaram a persegui-lo, conseguindo pegá-lo.

Foi uma noite longa mas acabou tudo bem graças a Deus. Os policiais não mediram esforços em fazer o trabalho deles – muito bem, por sinal. Fomos bem atendidas na delegacia. Eles fizeram a parte deles, caberá agora ao juiz fazer a dele. Mas conhecendo as leis do nosso país, é bem provável que em pouquíssimo tempo ele esteja nas ruas assaltando novamente.

Nos resta tomar cuidado e entregar nossas vidas nas mãos de Deus”.

comentários

Outras Notícias

Veja Também