Marcus Alexandre põe ‘o pé na estrada’ pra fugir à pergunta sobre governo de Tião


Temendo desgaste, pré-candidato petista evita a companhia do aliado e prefere não falar sobre sua gestão

Foto capa ARCHIBALDO ANTUNES, DA CONTILNET

Amarelou

Conforme previsto pela coluna, o pré-candidato ao governo do Acre pela Frente Popular, Marcus Alexandre (PT), se esquivou da questão a ele formulada pelo repórter Salomão Matos sobre sua avaliação do governo de Tião Viana.

Ligeirinho

O caminhante Marcus Alexandre botou o pé na estrada e tratou de ir para bem longe da questão que lhe foi formulada.

Mouco

Disso se depreende o seguinte: não obstante apresentar-se como o ‘novo’, o ex-prefeito incorre na velha prática de não repudiar as lambanças dos correligionários, por piores que elas sejam. E como não convém defender abertamente as práticas desastrosas de um (des)governo por ele apoiado, a única saída é se fazer de leso.

Prova de fogo

O blog O Antagonista publicou que as eleições deste ano serão uma prova de fogo para a hegemonia do PT no Acre.

Deslize

“Marcus Alexandre, ex-prefeito de Rio Branco, é o candidato do partido, que tenta fechar alianças com PDT e PSB, por exemplo”, errou o blog, uma vez que os dois partidos já integram a aliança do petista, inclusive com o pedetista Emylson Farias a figurar de vice em sua chapa.

Comendo poeira

O texto afirma que Marcus Alexandre aparece atrás do senador Gladson Cameli nas pesquisas de intenção de voto.

Lembrado

O Antagonista citou ainda a participação do coronel PM Ulysses Araújo, do PSL, na disputa pelo Palácio Rio Branco.

Enfim, ela falou

Conhecida por fugir de temas polêmicos – entre os quais o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff –, a presidenciável Marina Silva (Rede Sustentabilidade), meteu a colher no assunto que tem magnetizado as atenções e suscitado muita celeuma no Acre: a segurança pública.

Agenda política

Presente no estado para o lançamento das pré-candidaturas majoritárias do seu partido, entre as quais a da vereadora por Tarauacá Janaína Furtado, postulante ao governo estadual, a ex-senadora fez questão de falar sobre a criminalidade.

Velha Marina

Marina engrossou o coro dos petistas, ao criticar a omissão do governo federal quanto à proteção das áreas de fronteira. E recorreu à velha cartilha de esquerda, segundo a qual o drama da violência não pode ser resolvido apenas com o uso das forças policiais. Em suma, reforçou a chorumela de Tião Viana, a sugerir que a culpa pela violência é de Michel Temer.

Açoite companheiro

Mas enquanto dona Marina endossa as patuscadas dos companheiros, um deles, o deputado federal Leo de Brito (PT), trata de lhe açoitar o lombo. No microblog Twitter, a propósito da manutenção da prisão de Lula, o petista disse o seguinte: “Marina defendendo um juiz [Sérgio Moro] fora da lei… o que uma pessoa não faz por votos… eu não a conheço mais ou ela revelou quem realmente é…”.

Ponto de vista

Pois é, caro leitor. Petistas não possuem amigos: eles têm cúmplices…

Discurso pronto

De volta ao pronunciamento de Marina Silva, a pré-candidata ao Palácio do Planalto acha que a solução para a criminalidade passa pela ‘justiça social’, ‘justiça cultural’ e pela ‘igualdade de oportunidades’. Em suma, ela repisa o antigo argumento de que a violência decorre da pobreza.

Falácia

Ocorre que há exemplos de sobra a desmentir essa falsa premissa. A Bolívia é um ótimo exemplo. Nação mais pobre da América do Sul, ela apresenta índices baixíssimos de criminalidade. Muitos outros países do continente africano também.

Em parte, ela está certa

Mas sem querer – ou de forma propositada –, Marina Silva acabou por tecer críticas pertinentes à política do PT, responsável pela criação de uma horda de miseráveis dependentes do Bolsa Família. Nisso, pelo menos, ela tem razão.

Vítima da cilada

A propósito, especialista em segurança pública, o coronel Ulysses Araújo, pré-candidato ao governo pelo PSL, cai na mesma esparrela ao propalar que violência se resolve com ações sociais. É a tal maldição do discurso politicamente correto – uma excrescência imposta à sociedade pelas esquerdas, a fim de que a gente repita apenas aquilo que lhes convém.

Na contramão

Aliado de Jair Bolsonaro, virtual candidato à Presidência da República, Ulysses seque na contramão do discurso que anabolizou as chances do correligionário de chegar ao Palácio do Planalto.

Troca o disco, coronel!

A seguir nessa toada, Ulysses reduz ainda mais as suas chances na disputa ao governo do estado, nas eleições de outubro.

Deliberação

A propósito, os empresários ligados à Associação Comercial do Acre (Acisa) se reuniram para tratar sobre a questão da violência – e endossaram a iniciativa de parte da bancada acreana em recorrer a Temer contra a onda de criminalidade no estado.

Perdas e danos

O empresariado, aliás, é um segmento que amarga enormes prejuízos com a ação dos fora da lei. Além de recorrentes perdas financeiras, resultantes dos assaltos, e do perigo a que estão sujeitos (eles próprios e os empregados), a categoria ainda precisa investir em aparato de segurança privada. Ou seja, pagam dobrado para ter o mínimo de sossego.

comentários

Outras Notícias