Bateria de notebook superaquecida pode derrubar avião, diz pesquisa


Testes conduzidos por agência de aviação americana revelam riscos de incêndio em baterias de lítio

TECHTUDO

Uma bateria de notebook em chamas no bagageiro de um avião pode ser o suficiente para derrubar a areronave. Foi o que revelou um estudo feito no ano passado pela Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês), que foi tema de debate no fórum de segurança da aviação, ocorrido na última quarta-feira (1º), em Washington. O problema pode ocorrer com as baterias de lítio, bastante comuns em dispositivos eletrônicos como laptops e celulares.

O que os testes mostraram foi que o sistema de supressão de incêndio dos porões de carga não consegue apagar o fogo originado a partir desse tipo de bateria quando a chama entra em contato com outros materiais inflamáveis. A preocupação reside no fato de que as malas de passageiros são lotadas de itens dessa categoria, como desodorantes aerossol e cosméticos com álcool, por exemplo.

O que os testes mostraram foi que o sistema de supressão de incêndio dos porões de carga não consegue apagar o fogo originado a partir desse tipo de bateria quando a chama entra em contato com outros materiais inflamáveis. A preocupação reside no fato de que as malas de passageiros são lotadas de itens dessa categoria, como desodorantes aerossol e cosméticos com álcool, por exemplo.

A pesquisa identificou que o halon, gás retardador de incêndio usado no bagageiro interno dos aviões, só consegue prevenir que a chama se espalhe para materiais como papel e roupas. Durante os testes feitos pela FAA, as latas de aerossol explodiram mesmo após terem sido banhadas pelo gás halon.

Estudo feito pela agência de aviação americana mostra que bateria de notebook superaquecida pode derrubar avião (Foto: Daniele Starck/TechTudo)

“Existe o potencial de o evento resultante exceder as capacidades do avião para enfrentá-lo”, diz o comunicado do órgão norte-americano enviado às companhias aéreas no ano passado. Em outras palavras, isso quer dizer que a aeronave pode vir a cair se uma bateria superaquecida pegar fogo nos porões, onde a tripulação não pode intervir durante o voo.

Apesar da gravidade da situação, o órgão regulador americano não impôs novas restrições sobre o que os passageiros podem levar nas malas despachadas. A mensagem entregue às empresas de aviação apenas pede às companhias que conduzam estudos de segurança para limitar os riscos de incêndios no compartimento de cargas.

A Associação de Pilotos de Companhias Aéreas (ALPA), maior sindicato de pilotos da América do Norte, não se posicionou formalmente sobre a possível proibição de baterias de lítio em malas despachadas. A entidade teme que a orientação apenas seja ignorada pelos passageiros e, por isso, aposta em campanhas educacionais para reduzir o volume de notebooks e outros eletrônicos no setor de carga.

comentários

Outras Notícias

Veja Também