Em coletiva à imprensa, Sinteac questiona proposta de processo seletivo para professores em 2019


O futuro secretário de Educação, Mauro Sérgio, disse que é objetivo do governo efetivar os professores

EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, convocou a imprensa na manhã desta segunda-feira (26) para divulgar o questionamento do movimento em relação a fala do futuro secretário de educação do governo de Gladson Cameli, Mauro Sérgio, sobre a realização de um processo seletivo para contratação provisória de novos professores para a rede pública de ensino.

Rosana Nascimento/Foto: Reprodução

Em entrevista, Rosana disse que o sindicato se mantém contrário a decisão, que implica em uma contratação provisória de professores, tendo em vista a composição atual do quadro, que conta com mais de 90% dos profissionais em situação de tratado temporário.

“Não aceitaremos que os professores que compõem mais de 90% do quadro, fiquem por mais dois ou quatro anos nessa situação. Queremos um concurso público, que traga efetivação dos cargos, porque os nossos mestres merecem o melhor”, ressaltou.

Mauro Sérgio, ao anunciar que o ano letivo de 2019 iniciaria antes do período carnavalesco, afirmou na última sexta-feira (23) que a proposta de realizar o processo seletivo se faz necessária para evitar desfalque no quadro de funcionários.

“Quando não há concurso efetivo nossos professores ficam inseguros, ansiosos, chegam a adoecer. Sem falar que é injusto contratação provisórios pois recebem menos do que os efetivos. Este concurso já deveria ter acontecido no segundo semestre. O Sinteac é contrário, e acreditamos que é possível sim, ser concurso efetivo. Não trará nenhum prejuízo ao ano letivo e muito menos no desempenho do ensino aprendizado. Também atende as perspectivas e necessidade de quem estar provisório há mais de dez anos.”, explicou Nascimento.

Mauro Sérgio/Foto: Reprodução

Em entrevista concedia ao ContilNet, o futuro secretário de Educação, Mauro Sérgio, disse que é objetivo do governo efetivar os professores, mas que sua fala refere-se à necessidade de garantir que as aulas iniciem antes do Carnaval, não prejudicando os alunos.

“É evidente que nos preocupamos com os professores do estado e queremos a contratação efetiva deles, mas nos compete no momento ter a preocupação com as aulas que devem iniciar antes do Carnaval, para não comprometer o ano letivo e a qualidade de ensino oferecida aos alunos.

Mauro explicou que dois editais de concursos estão em andamento na Procuradoria Geral do Estado (PGE) e na Secretaria Geral de Administração (SGA), mas que precisam das autorizações dos órgãos controladores para a realização destes.

“Nós estamos realizando o que está ao nosso alcance e, como equipe de transição, estamos ainda caminhando em direção ao cumprimento das propostas, dando as devidas soluções às problemáticas apresentadas”, finalizou.

comentários

Outras Notícias

Veja Também