Líderes de facções planejam nova greve de fome e mais atentados no Acre, denunciam agentes


A retaliação das ameaças, segundo os agentes, é por conta da superlotação do sistema carcerário

SALOMÃO MATOS, DO CONTILNET

A reportagem do portal ContilNet foi procurada por um grupo de agentes penitenciários, os quais denunciaram que dentro dos presídios, mais especificamente no Francisco de Oliveira Conde (FOC) e Antônio Amaro Alves, em Rio Branco, há uma articulação dos líderes de facções planejando, a princípio, uma nova greve de fome programada para ter início na próxima semana. Além disso, vários atentados sob o comando deles estão sendo organizados para acontecer em todos os municípios do Acre.

A retaliação das ameaças, segundo os agentes, é por conta da superlotação do sistema carcerário, que tem hoje um déficit de mais de 3.400 vagas.

Denúncia foi feita por agentes penitenciários/Foto: Reprodução

Dizem ainda os carcereiros, que o Governo do Acre, por meio de recursos do Fundo Penitenciário Nacional, construiu e refornou novos pavilhões, abrindo espaço para até 1.000 vagas, mas, no entanto, esses prédios não podem ser ocupados, já que não há efetivo de agentes suficientes para fazer a guarnição.

Em contato com o representante dos Agentes Penitenciários, Lucas Bolzoni, ele explicou que houve investimentos sim por parte do governo, mas faltou o essencial.

“Muitos desses pavilhões não podem ser ocupados porque não existe efetivo de agentes para cuidar desses novos prédios. Ampliaram as vagas mas não fizeram concurso”, lamenta.

A nossa reportagem tentou falar com o diretor do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen), Aberson Carvalho, para saber se ele já tem conhecimento dessas supostas ameaças, mas até o momento ele não foi encontrado para falar do assunto.

comentários

Outras Notícias

Veja Também