Opinião: “A importância da psicanálise na Educação”


Não se pode negar que na maioria dos casos, as dificuldades de aprendizagem vêm acompanhadas por distúrbios de comportamentos

POR CARLOS PORTELA

Temos de ter consciência de que algo precisa ser feito no sentido de melhorar a nossa realidade escolar. O índice de reprovação, a evasão escolar, o desemprego, a estrutura familiar, são fatores que desencadeiam, para que alunos, não tenham bom desempenho escolar.

Carlos Portela/Foto: Reprodução

Que seja implantado um projeto interdisciplinar de acompanhamento terapêutico, pedagógico, psicopedagógico e psicanalítico com a intenção de conhecer, prevenir e tratar as causas que estão interferindo na aprendizagem dos alunos, aquelas que apresentam dificuldades na área cognitiva, intelectual, física e social.

Que seja aberto também aos familiares e com apóio para aqueles que sofrem com neuroses, histerias, psicoses; proporcionando aos pacientes, mecanismos para o autoconhecimento e o resgate de auto-estima.

VISÃO PEDAGÓGICA

Os pedagogos articulam as dimensões afetivas e cognitivas como um sistema único onde se processará o desenvolvimento do indivíduo, encarando a dificuldade de aprendizagem como um sintoma, às vezes neurótico, e que foge a sua área. Já que o inconsciente participa ativamente no processo de construção do conhecimento quando este é decorrente de causas ligadas à estrutura individual, familiar e do educando.

CONTRIBUIÇÃO DA PSICANÁLISE À PEDAGOGIA

Não se pode negar que na maioria dos casos, as dificuldades de aprendizagem vêm acompanhadas por distúrbios de comportamentos; e isto só já justificaria a adoção da terapia psicanalítica auxiliando o trabalho pedagógico. Outro ponto é o conceito de transferência de “Freud”, que está presente em qualquer tipo de relacionamento interpessoal, inclusive no de professor-aluno, (um não ir com a cara do outro), causando um obstáculo ao sucesso escolar.

Temos ainda de levar em conta a fragilidade da formação do EGO infantil e o mecanismo de identificação com as figuras parentais e o desenvolvimento do SUPEREGO. Nessa fase, a criança pode receber influências que venham a ser nocivas para a formação de sua personalidade, e que, sem um devido acompanhamento, muitos impulsos serão recalcados e remetidos às profundezas da mente onde permanecerão criando tensões e conflitos. O psicanalista na escola pode oferecer terapias não só aos alunos como também aos educadores, com a perspectiva de que o trabalho dentro dos muros escolares se torne ao mesmo tempo, mais consciente e mais prazeroso.

Carlos Portela é Policial Rodoviário Federal.

comentários

Outras Notícias

Veja Também