Rio Branco, Acre,





Pai de Neymar abre o jogo sobre carreira, lesões, imagem e “cai-cai” do filho


Sabatinado por programa do SporTV, Neymar da Silva Santos diz que, aos 27 anos, filho está "crescidinho" para encarar críticas e liderar seleção brasileira

SPORTV

Pai e empresário do principal jogador brasileiro da atualidade, Neymar da Silva Santos foi o entrevistado do “Grande Círculo” que foi ao ar neste sábado (23) no SporTV. Responsável pela carreira do jogador mais caro do mundo – por quem o PSG pagou 222 milhões de euros em 2017 – o pai de Neymar foi sabatinado pelo apresentador Milton Leite e por uma bancada formada por Marcelo Canellas, Mauro Naves, Casagrande, Pedro Bial, Tino Marcos e Marcelo Barreto.

Entre os principais assuntos abordados estiveram as lesões do craque, a transferência para o PSG para sair da sombra de Messi no Barcelona (ele nega esse objetivo), a fama de “cai cai” do filho em campo e os problemas fiscais no Brasil e na Espanha.

Neymar da Silva Santos ainda garantiu: aos 27 anos, seu filho está maduro e “crescidinho” para encarar novas etapas da carreira e liderar a seleção brasileira até Copa do Mundo de 2022, no Catar.

Veja abaixo os principais tópicos da entrevista:

Milton Leite: Como foi o momento da lesão do Neymar em 2014?

Neymar: Eu estava no estádio, estava assistindo ao jogo. Foi perto do final da partida. E o jogo termina, a gente sabe que o Neymar foi levado ao vestiário, mas até então não tínhamos informação nenhuma do que tinha acontecido. Nós saímos do estádio, quando meu telefone toca. A família estava esperando na van. Meu telefone toca, era o pessoal da CBF pedindo que eu retornasse ao estádio. Achei estranho. “Seu Neymar, você está aí? Retorna porque o Neymar está fora da Copa do Mundo”. Eu fiquei praticamente revoltado, não entendia. Minha família ligando para mim perguntando o que estava acontecendo.

A primeira poltrona do avião era o lugar onde iam estender a maca para o Neymar. Me sentei atrás. Eu me tranquilizo para não chorar na frente do Neymar, dar força para ele. Mas ele entra de uma forma que emociona a todos, ele começa a gritar meu nome. Quando eu apareço para ele eu falo para ele ficar tranquilo, ter forças. Mas ele começa a perguntar o porquê, e eu realmente não sabia dizer o porquê. Era sonho dele naquele momento. E todo mundo começa a chorar, a aeromoça começa a chorar. Quando o avião começa a taxiar e entra para a decolagem, e ela percebe que o Neymar não parava. Ela deixa decolar mesmo comigo em pé. A gente decola chega na Granja e é a história que todo mundo sabe.

Milton Leite: Isso ainda te emociona?

– Emociona, foi um momento difícil para a minha família.

– Tinha esse risco (de perder parte dos movimentos). Era uma alça da vértebra que tinha se partido. Sabíamos que isso ia cicatrizar. Mas para um atleta, se você tem um problema de ciático ou púbis, isso leva um tempo muito grande. Não sabíamos se essa dormência que ele tinha seria um processo demorado, poderia ser que não tivesse sequela nenhuma, dependia dele, da recuperação e de muita coisa. Nós ficamos atônitos durante um bom tempo, até ver ele retornar com as atividades. O desespero da minha filha no telefone… Eu não conseguia dar a notícia para ninguém. Eu e o Neymar ficamos na Granja, embarcamos de helicóptero para voltar para casa. Não sabíamos o que falar. Mas vimos o Brasil e o mundo inteiro com o Neymar. Vimos o quanto ele era amado, o quanto as pessoas participaram e sentiram o drama dele. Isso deu força para nós.

Pedro Bial: Neymar sente que tem que provar ou desmentir os que criticaram em 2018?

– Da mesma forma que o tempo trouxe ele para 2018, o tempo vai levar ele para 2022. Ele tem que ter tranquilidade. Quando a gente aproveita os elogios, as críticas positivas, temos também que saber… Isso dá parâmetros para sabermos o que está errado ou certo.

Pedro Bial: Ele reconheceu alguma crítica?

– Era um momento de que você não tivesse que falar nada. Não adianta você argumentar enquanto a dor do brasileiro não era a dor de todos de perder uma Copa do Mundo, era a dor de quem tinha participado. O Neymar estava dolorido também. Ele falar alguma coisa naquele momento não era necessário. Ele também não tinha as palavras certas, ele tinha que pensar e refletir para se posicionar na hora certa.

Casagrande: Como vocês viram toda a repercussão que teve a opinião que eu dei sobre o Neymar ser um jogador mimado?

Casagrande: Eu falei no Redação [programa do Sportv], depois as outras pessoas repercutiram…

– Seu comentário foi muito pessoal, né? Não foi pertinente o comentário. Por mais que você quisesse colocar o Neymar em uma posição de mimado, não era pertinente, você tinha que falar desportivamente. Toda ação gera uma reação. O mimado, se você analisar o Neymar, ele não é protegido dentro de campo, nem por árbitro e nem por adversário. É natural que um filho seja protegido pelos pais. Você mesmo falou o que é a palavra mimado. Eu aceito. Se ele é protegido pelos pais, amém. A posição de mimado desportivamente não é nada pertinente. Só ia causar uma especulação. A família está do outro lado, as pessoas estão do outro lado. Se você fala uma pessoa mimada, eu entendo. Mas jogador mimado não. O atleta não é mimado. Não tem treinador passando a mão na cabeça dele. É um dos caras que mais treinam, tem muita responsabilidade profissional, ele está em todos os campeonatos que exigem, não foge de nada. Então a minha resposta… Se eu te falei alguma coisa, desculpa aqui agora, mas não foi pertinente.

Casagrande: Foi uma coisa que me atrapalhou muito também. Qualquer coisa que eu falava do Neymar, falavam que era perseguição.

– Se a gente analisar hoje, esse tipo de situação, vou tentar explicar no meu ponto de vista. O Neymar teve uma lesão agora. Esse posicionamento que você teve fez com que todo mundo se posicionasse contra ele. Ele não aceita cair no chão, uma falta. Hoje, se meu filho me escutasse realmente, ele teria caído. Vamos levando o Neymar a um erro. O futebol que trouxe ele… Podem falar que é cai-cai e que simula. Ele não simula, é um artifício que ele usa desde a base, desde quando se profissionalizou. Estamos completando 10 anos da sua estreia. E quem viu o Neymar estrear, gente, vocês sabem que ele não tinha porte físico, não tinha força física, era estranho ver ele dentro de campo em uma final. Disputando uma final contra o Corinthians, contra o Ronaldo de uma força física tremenda, e ele foi um dos destaques. O Neymar não simula ituações, mas ele foge do contato. Futebol não é contato. Você tem que fugir do contato. O Neymar tem que ter potência. Toda vez eu falo para ele, que já ouvi até do Neymar, não divida com o goleiro e não perca gol fácil.

CLIQUE AQUI E VEJA ENTREVISTA COMPLETA.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários









Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Outras Notícias

Veja Também