Rio Branco, Acre,





Polícia Civil investiga suposto ‘falso médico’ que atuava em Sena Madureira


Desde as denúncias, Emanuel Júnior, sumiu do município de Sena Madureira

SAIMO MARTINS, DO CONTILNET

Acusado de não possuir registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) – requisito indispensável para a atuação profissional -, Emanuel Júnior vinha atuando como médico no município de Sena Madureira, no interior do Acre, e  poderá ser preso nos próximos dias. Segundo informações obtidas pela reportagem do ContilNet, uma investigação iniciada pela Polícia Civil no intuito de descobrir a verdadeira identidade de Emanuel, a partir de denúncias feitas por moradores da região, concluiu que ele teria cometido os crimes de estelionato, falsidade ideológica e exercício ilegal da profissão,

A investigação é mantida sob sigilo pela polícia. E o que se sabe até o momento é que o investigado fugiu da cidade, tendo ainda desabilitado o chip do celular.

Emanuel pode ser indiciado por estelionato, falsidade ideológica e exercício ilegal da profissão/Foto: reprodução

Segundo o secretário de Saúde de Sena Madureira, Daniel Herculano, os pagamentos até então feitos ao falso médico foram suspensos. “Ele não recebe mais do município e nem atende às nossas ligações”, disse Herculano.

O secretário acrescentou ainda que até o momento o Conselho Regional de Medicina não respondeu ao ofício  com pedido de informações sobre o suspeito.

“A gente vai abrir um Processo Administrativo Disciplinar com o objetivo de analisar a autenticidade da documentação apresentada por ele no ato da contratação”, assegurou.

Entenda o caso

Emanuel Júnior, que se apresentava como terapeuta, é acusado de ingressar no quadro de servidores da Secretaria Municipal de Saúde de Sena usando documentos pertencentes a Tayron Ismael, incluindo dados bancários. Tayron, por sua vez, é registrado no CRM do Acre e atualmente mora na Bolívia,

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários




Outras Notícias

Veja Também