Rio Branco, Acre,





Governador de Rondônia despacha comboio de policiais para desobstruir a BR-364


Rodovia está fechada há 48 horas me protesto de moradores da Ponta do Abunã e o fechamento já vinha prejudicando o Acre

TIÃO MAIA, DO CONTILNET

Um comboio de policias militares de Rondônia deixou a capital Porto Velho na manhã desta quinta-feira (11), cumprindo ordens do governador Marcos Rocha, que tem formação militar, para desobstruir a BR-364 na divisa com o Acre, na localidade conhecida como Extrema. Há mais de 48 horas a estrada está fechada nos dois sentidos em função de um protesto de moradores da região conhecida como Ponta do Abunã reivindicando transporte escolar rural para seus filhos. O protesto está concentrado na altura do quilometro 1042 da rodovia. As localidades de “Ponta do Abunã”, onde estão Extrema, Nova Califórnia e Vista Alegre, são distritos de Porto Velho.

Manifestantes estão com a estrada fechada faz mais de 48 horas e devem enfrentar a polícia rondoniense a partir de hoje/Foto: reprodução

A ordem do governador, de acordo com uma fonte da Polícia Rodoviária Federal (PRF), é fazer cumprir um mandado judicial de reintegração de posse da área cujos ocupantes, mesmo assim, decidiram desobedecer. A Justiça estipulou o pagamento de multas de um salário mínimo por manifestante a cada hora de fechamento da rodovia, mas, ainda assim, os manifestantes não arredaram o pé do local.

Até o governador do Acre, Gladson Cameli, entrou na questão fazendo gestões ao colega de Rondônia para que tomasse providências porque o Acre já começa sofrer as consequências do fechamento da rodovia, o único elo da região com o mapa rodoviário do país. O comboio de policiais tem hora prevista para chegar ao local do bloqueio por volta das 10h40min (horário Acre).

Manifestantes estão com a estrada fechada faz mais de 48 horas e devem enfrentar a polícia rondoniense a partir de hoje

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários






Outras Notícias

Veja Também