Rio Branco, Acre,


União de Acre, Rondônia e Amazonas pode criar uma nova região de macro desenvolvimento

Wadt lembrou que os grandes investimentos em infraestrutura que estão sendo feitos no Acre, Rondônia e Amazonas colocam os três Estados em uma posição privilegiada

A aprovação dos projetos e licenciamentos ambientais são importantes garantias dadas pelo Governo Federal para a tão esperada pavimentação da BR 319, rodovia que ligará, em definitivo, as cidades de Porto Velho(RO) e Manaus(AM). Nesta quinta-feira, 23, o tema foi abordado pelo secretário de Estado de Produção e Agronegócio, Paulo Wadt, em palestra na Rondônia Rural Show, na cidade de Ji-Paraná.

Durante a palestra o secretário destacou que a privatização da BR 364 será fundamental para assegurar a duplicação da rodovia entre a capital rondoniense e o município de Vilhena(RO). A conclusão da ponte sobre o Rio Madeira é outro importante passo para a conclusão deste importante corredor rodoviário.

Representantes no evento em Ji-paraná/Foto: Ascom

“No Acre, o principal gargalo para a ligação em definitivo com o Oceano Pacífico já foi garantido pelo governador Gladson Cameli. Trata-se do anel viário de Brasileia e Epitaciolândia. O trecho da BR 317 será desviado da parte urbana e contempla a construção de uma nova e moderna ponte sobre o Rio Acre”, enfatizou o secretário.

Paulo Wadt ainda destacou que o Acre possui papel central neste processo pela sua posição privilegiada. O Estado é a porta de entrada do Brasil por meio do Oceano Pacífico.

/Foto: Ascom

O secretário disse que o sucesso econômico só será alcançado por meio da união entre os Estados. “Se cada Estado ficar com a mentalidade de pensar em si e não abrir mão em prol do desenvolvimento como um todo, a tendência é que todos continuem a perder. Temos que pensar macro e dessa forma, todos irão mais longe”, pontuou.

R$ 2 bilhões em Investimentos equivocados levaram empreendimentos ao fracasso

Segundo Wadt, a interferência de gestões passadas na economia contribuíram para o fracassos de várias empreendimentos construídos nos últimos anos. Foram cerca de R$ 2 bilhões investidos de maneira confusa, grande parte desses recursos foram financiados pelo Governo e que estão sendo pagos pelo contribuinte acreano.

“A estagnação da economia é tão forte que ainda não conseguimos mensurar o prejuízo que esses investimentos errados trouxeram para o Acre”, explicou.

O gestor citou o Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia. A empresa de capital público-privado está em recuperação judicial e o produtor local desacreditado com o futuro incerto da criação de peixe em cativeiro.

Com a nova mentalidade de desenvolvimento socioeconômico adotada pelo atual Governo, medidas já estão sendo tomadas para reverter a situação em que se encontra a Peixes da Amazônia.

O secretário disse ainda que empresários rondonienses demonstram interesse em processar o pescado no Acre e depois exportar o produto para o Peru. “Apesar de Rondônia ser o maior produtor nacional de peixe nativo em cativeiro, o Estado vizinho é carente de indústrias processadoras”, comentou.

No âmbito que compete ao poder público, os Governos do Acre e Rondônia demonstram que estão unidos em prol do progresso econômico ao tratar da desoneração fiscal do pescado entre os dois estados. É um grande passo para que outros medidas sejam efetivadas no futuro.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias