Rio Branco, Acre,


Personalidade: Marcelinho, atacante nascido na Paraíba, fez história no futebol acreano

Veloz, habilidoso e driblador, desde os primeiros contatos com a bola Marcelinho optou por jogar como meio de campo

Nascido na cidade paraibana de Riachão, no dia 3 de junho de 1972, o cidadão Marcelo Feliciano de Melo, o Marcelinho, migrou com a família para o Acre em 1976. Daí para as primeiras peladas, nos campos do 7º BEC e do Suvaqueira, ambos no bairro Isaura Parente, foi só questão de algum tempo. Em meados da década de 1980, Marcelinho já era famoso na área.

Veloz, habilidoso e driblador, desde os primeiros contatos com a bola Marcelinho optou por jogar como meio de campo, do tipo daqueles que buscava não apenas armar o jogo, mas também procurar o gol adversário, de forma sempre vertical. Por conta disso, ele adotou como maiores ídolos os craques Zico (Flamengo) e Falcão (São Paulo), os quais procurava imitar.

PUBLICIDADE
O ex-craque Marcelinho em foto atual. Foto/Acervo Marcelo Melo.

A primeira camisa que Marcelinho vestiu foi a de um time do próprio bairro Isaura Parente, organizado pelo desportista Otávio Louzada. Aí, quando chegou 1988, o craque resolveu participar de uma “peneira” no Rio Branco. Mas foi uma passagem bem rápida. Logo ele encontrou o seu lugar nos infanto-juvenis do Juventus, sob o comando do técnico/jogador Paulão.

“No Rio Branco, cujas categorias de base eram treinadas pelo professor Illimani Suares, havia muitos garotos e as oportunidades eram raras. Já no Juventus tudo foi mais fácil, pois além de ficar mais próximo do bairro onde eu morava, o que me proporcionava ir a pé para os treinos, tinha muita gente conhecida, ajudando no entrosamento”, disse Marcelinho.

Juventus – 1990. Em pé, da esquerda para a direita: Antonialdo, Ilzomar, Toninho, Paulão, Gilmar, Marcelo Aquino, Carlos, Jonathan e Anderson. Agachados: Rocha, Daniel, Marcelinho, Ivo, Jorge Luís, Marcelo Carioca, César Limão e Delcir. Foto/Acervo Francisco Dandão.

Estreia como profissional e dança de camisas

A estreia no time profissional do Juventus aconteceu em 1990. O Juventus tinha um timaço na época, mas lá pelas tantas vários jogadores se contundiram. O técnico Júlio D’Anzicourt, então, requisitou alguns juniores para completar o elenco. Marcelinho, já como atacante, foi no meio do grupo e no primeiro treino marcou logo cinco gols. Nunca mais voltou aos juniores.

A estreia no time principal foi contra o Atlético, no returno do campeonato de 1990. Marcelinho entrou no segundo tempo e o Juventus venceu por 1 a 0. Ele entrou no lugar do centroavante Ivo. Mas depois, por conta da baixa estatura, passou a jogar pelos lados do campo, disputando posição diretamente com os atacantes César Limão e Marcelo Carioca.

 

Juventus – 1991. Em pé, da esquerda para a direita: Klowsbey, Sandro Noronha, Marcelo Carioca, Josman, Rocha e Paulão. Agachados: Ramon, Paulo Henrique, Ulisses, Marcelinho e Renízio. Foto/Acervo Sandro Andrade.
Independência – 1991. Em pé, da esquerda para a direita: Ricardo, Toninho, Rocha, Klowsbey, Anderson e Paulão. Agachados: Marcelo Carioca, Marcelinho, Gilmar, Rol e Artur. Foto/Acervo Francisco Dandão.

Em 1991, após disputar o campeonato brasileiro da série B pelo Independência, Marcelinho viu frustrada a chance de jogar por um grande time do futebol brasileiro. É que depois de destacadas atuações pelo Tricolor de Aço, ele e mais dois jogadores (Artur e Klowsbey) foram sondados pelo Santos-SP. Mas ele tinha contrato com o Juventus e o clube não o liberou.

Atlético Acreano – 1993. Em pé, da esquerda para a direita: Sérgio Ricardo, Dodi, Oton, Francislei, Nego e Arimatéia. Agachados: Marcelinho, Jorge Cubu, Joãozinho, Hélio e César. Foto/Acervo Francisco Dandão.

O fato de não ir para o Santos deixou Marcelinho um tanto desmotivado. Aí ele passou a dividir a atenção entre a bola e os estudos. Mas ainda jogou até 2000, vestindo as camisas dos seguintes times: Atlético Acreano (1992, 1993 e 1999), Juventus (1994 e 1995), Adesg (1998) e Andirá (2000). Em 1996 e 1997 ele não chegou a jogar por clube nenhum.

Juventus – 1995. Em pé, da esquerda para a direita: Venícius, Deca, Hélio, Ico, Arthur, Papelim, Josman, Cesinha, Charles, Railson e Gualter Craveiro. Agachados: Delcir, Loló, China, Jorge Luís, Douglas, Sairo e Marcelinho. Foto/Acervo Marcelo Melo
O jogo inesquecível e os grandes personagens

Adesg – 1998. Em pé, da esquerda para a direita: Wilson, Edilsinho, Kairara, Francisco, Marcelão e Cacique. Agachados: Carlinhos, Cota, Mundoca, Marcelinho e Dilson. Foto/Acervo Marcelo Melo.

Marcelinho elegeu como inesquecível o jogo entre Independência e Paysandu, pelo Brasileirão da Série B de 1991, no estádio José de Melo. O Independência venceu por 3 a 0, com um gol dele e outros dois do Rei Artur. “Eu e o Artur, nesse dia, destruímos com o jogo. Só faltou a gente fazer chover. Contribuí com um gol e várias assistências”, garantiu Marcelinho.

Na lista de melhores personagens do futebol acreano do Marcelinho entraram o dirigente Diogo Elias (Juventus), o técnico Toninho Silva (Independência), além dos árbitros Ribamar, Marcos Café e Neuricláudio. Já na sua seleção seriam titulares absolutos Ilzomar; Toninho, Paulão, Neórico e Duda; Gilmar, Paulo Henrique, Jorge Jacaré e Dadão; Artur e Marcelinho.

Atlético Acreano – 1999. Em pé, da esquerda para a direita: Vanilson, Jean, Emerson, Marcelão, Marinho, Máximo e Carlinhos Santos. Agachados: Merica, Marelinho, Maguila, Jânio, João Paulo, Biroca e Carlinhos. Foto/Acervo Francisco Dandão.

Quanto a uma comparação entre o futebol acreano do passado e do presente, Marcelinho foi incisivo. “O futebol de hoje, de modo geral, é de mais marcação. Ficou chato. Os jogadores parecem caranguejos malandros: perderam o senso do agudo e jogam para o lado o tempo todo. Os palcos melhoraram, mas o nível técnico caiu. Falta improviso”, disse o ex-craque.

Licenciado em História, com especialização em Educação e funcionário público federal, Marcelinho leva atualmente uma vida tranquila com a família (esposa e filhos). Segundo ele, nos seus planos para o futuro não está incluída nenhuma volta ao futebol. Mas revela que faz parte dos seus sonhos como historiador escrever um livro sobre o futebol acreano.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up