Rio Branco, Acre,


Vacina aplicada pelo nariz pode ser mais eficaz e ter menos efeitos colaterais, aponta estudo

Adjuvantes adicionais podem induzir inflamação e estão associados a efeitos colaterais comuns de vacinas, como dor no local da injeção ou febre baixa.

Quando pensamos em vacina, já imaginamos a agulha no braço. Mas um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Chicago e da Universidade Duke, publicado na revista científica Science Advances na sexta-feira (7), apresenta a análise de uma outra forma de imunização: a vacinação intranasal, que pode ser mais eficaz e ter menos efeitos colaterais, de acordo com os pesquisadores.

O estudo analisou uma plataforma (base da vacina) que usa nanofibras peptídicas de montagem automática marcadas com antígenos, que vão preparar o sistema imunológico contra uma invasão em potencial.

PUBLICIDADE

As nanofibras podem induzir uma resposta imune e ativar células T sem o uso de adjuvantes adicionais, que podem induzir inflamação e que estão associados a efeitos colaterais comuns de vacinas, como dor no local da injeção ou febre baixa.

“Para visualizar a absorção das nanofibras, decidimos tentar a via intranasal, porque nos daria acesso às células dendríticas nos pulmões e nos permitiria rastrear seu movimento”, disse uma das autoras do estudo e professora da Universidade de Chicago Anita Chong.

O objetivo principal do estudo é descobrir o mecanismo pelo qual as nanofibras podem induzir uma resposta imune. Entretanto, os resultados também mostram que a plataforma tem potencial para gerar vacinas via nasal seguras e eficazes.

De acordo com outro autor do estudo, o professor Joel Collier, da Universidade Duke, esse tipo de vacina é uma ótima alternativa, já que não envolve agulha.

“Algumas pessoas têm dificuldade em lidar com agulhas. Elas [as agulhas] podem induzir uma resposta vasovagal, fazendo com que as pessoas percam a consciência e seja difícil de controlar. Eliminar a agulha de uma plataforma pode ajudar com esse problema e pode levar mais pessoas a procurarem a vacina.”

Essa plataforma também permitiria aos médicos e cientistas marcar com mais precisão a resposta imunológica para fornecer a melhor proteção contra uma doença, segundo os pesquisadores.

O estudo usou o novo coronavírus, que causa a Covid-19, como um exemplo em que ser capaz de ajustar a resposta imune e entregar a vacina diretamente aos tecidos mais afetados pode ser benéfico.

“Não sabemos ainda quais antígenos serão mais protetores contra Covid-19”, disse Collier. “Isso nos permitiria atingir e produzir anticorpos e células T de maneira muito precisa que fornecerão a maior proteção.”

Os pesquisadores disseram que a plataforma via nasal e a plataforma sublingual semelhante, que envolve a aplicação da vacina sob a língua, têm muito potencial, pois podem provocar uma resposta imunológica diretamente nos pulmões ou nos tecidos da mucosa.

“Muitas infecções ocorrem através das vias oral e respiratória, incluindo a Covid-19, então ser capaz de desencadear essa resposta imunológica na área certa do corpo é muito útil e pode tornar a vacina mais protetora”, explicou a coautora.

Além de reduzir o risco de inflamações no paciente, outra vantagem da vacina sem adjuvantes é não precisar de refrigeração. “Os peptídeos são bastante estáveis ao calor e podem ser entregues como um pó seco para ser reconstituído em nanofibras no local, tornando mais fácil obter vacinas em áreas com recurso limitados”, completou Chong.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up