Rio Branco, Acre,


Pandemia leva 62% das mulheres a adiarem cuidados contra o câncer de mama

Medo de contrair o coronavírus afastou brasileiras de consultas e exames de rotina

O medo do novo coronavírus afastou pacientes dos consultórios médicos nos últimos meses.

A pesquisa Câncer de mama: o cuidado com a saúde durante a quarentena, elaborada pelo Ibope Inteligência a pedido da Pfizer, mostrou que 62% das mulheres esperam pelo fim da pandemia para retomar consultas médicas e exames de rotina necessários para a detecção do câncer de mama.

PUBLICIDADE

Esse percentual é ainda mais alto entre as pacientes com mais de 60 anos – grupo que corre maior risco com a Covid-19 –, 73% delas disseram que deixaram de frequentar o médico ginecologista ou mastologista desde o início da pandemia.

O Ibope entrevistou 1,4 mil mulheres com idades a partir dos 20 anos residentes do Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Porto Alegre e Recife para entender como elas estão cuidando da saúde durante a quarentena.

Os especialistas reforçam que o “câncer não faz quarentena” e se preocupam com os dados.

“Ainda que seja compreensível (que as pessoas tenham medo de procurar os serviços de saúde), é preocupante saber que durante esse período houve um atraso de consultas e exames para detecção do câncer de mama”, pontuou Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer Brasil.

Márjori destaca que a decisão pode trazer consequências futuras. “Isso pode ter um impacto muito sério. (Teremos) uma segunda onda de doenças que deixaram de ser diagnosticadas precocemente”.

A médica oncologista da Rede D’Or – Onco Star e Hospital São Luiz do Itaim, Maria Del Pilar Estevez Diaz, lembra que o câncer de mama é o tipo mais comum entre mulheres no Brasil e no mundo, representando mais de 30% dos tumores diagnosticados entre elas.

A detecção precoce contribui para a redução do risco de metástases – quando o tumor se espalha para outros órgãos.

“Cerca de 2/3 das pacientes com câncer de mama no Brasil não recebem o diagnóstico na fase 1, que seria o mais precoce. O acesso ao diagnóstico não é tão universal e ele acaba sendo feito em fases mais avançadas e isso pode, portanto, comprometer o tratamento dessas mulheres”, pontua Del Pilar.

O levantamento mostrou também que mulheres com menos de 40 anos são as mais desassistidas em informações sobre prevenção e exames de rotina.

O desconhecimento contribui para que elas recebam o diagnóstico mais tarde e sofram com tumores mais agressivos.

O câncer de mama não tem uma única causa. Fatores como idade, questões hormonais, história reprodutiva, aspectos comportamentais e ambientais estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença.

A médica Maria Del Pilar lembra que fatores hereditários estão relacionados a cerca de 10% dos casos e ressalta a importância dos exames preventivos mesmo entre as mais jovens.

(Foto de capa: Metrópoles)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up