Rio Branco, Acre,


Into cria salas de comunicação para notícias sobre pacientes internados com covid-19

Audiência pública da Aleac contou com a participação de representantes da unidade de saúde

A Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) promoveu nesta sexta-feira (11) uma audiência pública para debater as reclamações da população sobre o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC).

A unidade de saúde referência para o tratamento de pessoas acometidas pela covid-19 tem sido alvo de queixas por dificuldades na comunicação com a família dos doentes. Médicos de outros hospitais que precisaram transferir seus pacientes ao Into também têm alegado o mesmo tipo de problema.

Participaram da audiência, além dos deputados estaduais, o secretário de Saúde Alyson Bestene e representantes do Into, da empresa que administra a unidade, do Conselho Regional de Medicina, do Sindicato dos Médicos e do Ministério Público do Estado (MPAC).

Hilton Piccelli, responsável técnico pela empresa que cuida do Into, afirmou que a “grande maioria” dos usuários está satisfeita com o serviço prestado pela unidade de saúde.

Ele aproveitou a oportunidade para listar as medidas que existem para a comunicação com os familiares. Uma delas é uma breve ligação telefônica diária por parte da equipe, momento em que o boletim médico com a evolução do quadro é lido. Além disso, pacientes que estão em condições podem fazer até três videochamadas por semana.

Piccelli afirmou que com a elevação no número de atendimentos, a demanda pela comunicação também aumentou. Para dar conta, a partir de agora o Into contará com uma sala de comunicação onde o responsável pelo paciente pode se dirigir e obter informações mais específicas.

No Hospital de Campanha, situado nas dependências do Into, também haverá uma sala de comunicação onde o próprio paciente poderá telefonar aos familiares, se estiver em condições.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up