Rio Branco, Acre,


Riscos da pornografia: ‘Minhas expectativas sobre sexo foram distorcidas’

Para 30% dos adolescentes com mais de 16 anos, sexo não correspondeu às expectativas criadas

“Minhas expectativas sobre como o sexo deveria ser estavam totalmente distorcidas”, diz a jovem britânica Nicki Briant, de 25 anos.

Ela conta que a pornografia a deixou com sentimentos negativos em relação ao sexo, uma sensação persistente de inadequação e problemas com seu próprio corpo.

“O sexo na pornografia parece muito orquestrado e perfeito, e muito voltado para os homens. Eu descobri que nunca, nunca era igual a qualquer tipo de experiência sexual que eu havia tido, então pensei que algo poderia estar errado”, diz Nicki, que é gerente de academia e personal trainer.

“Na vida real, o sexo é muito confuso, pegajoso, louco, e nada sai como planejado.”

Para evitar que adolescentes tenham essa relação negativa com o corpo e com o sexo, a entidade sem fins lucrativos Plan UK e o Instituto de Medicina Psicosexual defendem que os perigos da pornografia sejam ensinados nas escolas.

No Reino Unido, essa possibilidade já está sendo considerada em alguns locais: o governo do País de Gales diz que está analisando como tratar a questão da pornografia em seu novo currículo escolar.

Em fevereiro, um relatório do Comitê Britânico de Classificação de Filmes sobre a necessidade de proteger crianças e jovens da pornografia online revelou que 18% dos adolescentes com mais de 16 anos ativos sexualmente fizeram ou foram solicitados a fazer coisas que viram em filmes pornôs.

A pesquisa, feita com 1,1 mil crianças e adolescentes entre 11 e 17 anos no Reino Unido, mostrou que 29% dos participantes já se sentiram mal em relação ao próprio corpo diante da aparência das pessoas retratadas na pornografia.

E cerca de 30% dos adolescentes com mais de 16 anos disseram que o sexo não correspondeu às expectativas criadas pela pornografia.

Imagem deturpada

Nicki conta que nunca recebeu uma “explicação normal” sobre sexo, e que em sua casa havia “muita vergonha em torno do assunto”.

Aos 11 anos, ela foi exposta pela primeira vez à pornografia por meio de redes sociais, como o Tumblr, e isso teria uma grande influência em sua vida mais tarde.

“Há essa imagem da mulher na pornografia em que ela é muito submissa, meio barulhenta e quase irritante. Eu cheguei a imitar esse tipo de atuação porque achava que era o certo, que era isso que os homens queriam.”

E as imagens padronizadas a faziam sentir que seu corpo estava “profundamente” errado, levando-a a cogitar cirurgia plástica, como reconstrução vaginal.

Nicki acabou ficando tão traumatizada que decidiu se afastar da pornografia e buscar ajuda por meio de terapia sexual e retiros com ioga e meditação.

“A pornografia que eu consumia quando era mais jovem deturpou minha autoimagem corporal e o que eu pensava ou esperava que o sexo fosse. Sinto que poderia ter sido muito mais prejudicial se eu não tivesse percebido antes de ser tarde demais”, avalia.

LEIA REPORTAGEM COMPLETA

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up