Publicidade

Rio Branco, Acre,


Sobe para 22 número de casos suspeitos de doença transmitida por fungos em Manaus

Quatro casos já foram confirmados na cidade. Doença pode causar feridas em animais e também em pessoas

Subiu para 22 o número de casos suspeitos de “esporotricose animal”, doença transmitida por fungos e que afeta tanto pessoas quanto animais, especialmente os gatos. Apesar do aumento, a doença não é letal e tem tratamento, como informa o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) em Manaus. O órgão também afirma que abandonar os animais não é a solução para o problema.

Até o domingo (13), quatro casos da doença tinham sido confirmados. O bairro mais afetado é o da Glória, na Zona Oeste da capital, mas o CCZ já investiga a proliferação nos bairros Aparecida e Santo Antônio.

Segundo a diretora do CCZ, a médica veterinária Patrícia de Paula Roberto, investigações do órgão mostram que os primeiros casos da doença podem ter sido registrados entre agosto e setembro.

Em casos mais graves, entrar em contato com o CCZ pelo número 0800-280-8280.

“A primeira notificação oficial, com exames, foi no dia 9 de novembro. Foi quando recebemos as informações. No entanto, fizemos um trabalho de rua no bairro da Glória e ouvindo a população começamos a verificar que os primeiros casos da doença podem ter surgido entre agosto e setembro. No entanto, não nos passaram nada. Quem nos comunicou foi um tutor, durante essas nossas visitas”, contou.

A veterinária também alertou sobre o abandono de animais. Segundo ela, a prática pode levar a uma maior disseminação da doença na cidade. O mais orientado é castrar os animais e, caso o bicho apareça com algum sintoma da doença, isolá-lo.

“É importante esclarecer para a população não abandone os animais. É uma doença que tem cura. Abandonar os animais, além de ser crime, vai disseminar a doença e a gente pode acabar perdendo o controle na cidade. Se o animal é saudável, principalmente o gato macho, a solução é castrar, para que ele não saia de casa e não se contamine”, pediu.

Patrícia também informou que o CCZ estuda criar uma área dentro do próprio órgão para receber animais de ruas, infectados pela doença. O centro também deve intensificar a castração de animais saudáveis provenientes do bairro da Glória, principalmente para os tutores que não tem condições de realizar o procedimento.

“A gente vai contar com a ajuda dos protetores para tentar capturar os animais que estão na rua também, e podem estar contaminados, para avaliar e ver o que a gente pode fazer. Devemos ter uma resposta mais ampla nos próximos dias”, resumiu.

Pessoas com sintomas

Ainda de acordo com a veterinária, alguns moradores residentes do bairro da Glória também apresentaram sintomas relacionados a doença. No entanto, a orientação do momento é procurar as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para fazer o acompanhamento.

“Algumas pessoas estão entrando em contato falando que apresentaram alguns sintomas, mas a nossa orientação agora é procurar a UBS, para que a pessoa seja medicada ou até mesmo encaminhada para a Fundação Alfredo da Matta, onde pode ser tratada de forma mais ampla. Mas tem que ir no médico, para que ele passe o antifungíco”, orientou.

O cuidado com os animais também deve ser priorizado, segundo a médica. Ela informou que é preciso estar atento aos sintomas que podem vir a surgir a partir do contato com o animal infectado.

“Se o animal está infectado, é importante evitar arranhaduras, porque a doença se dissemina assim. O gato pode arranhar o dono e com isso pode passar a doença. Mas é claro que se o animal estiver saudável não tem nenhum perigo. Orientamos também que caso o animal venha a falecer devido a complicações da doença, que nos avise imediatamente. Ele não pode ser enterrado para que não contamine o solo. Nos acionem, por favor”, finalizou.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up