28 C
Rio Branco
12 abril, 2021 5:59 pm

Ex-servidor do Idaf é preso por alterar dados para entrada de gados ilegalmente no AC

POR REDAÇÃO CONTILNET

Nesta sexta-feira (26), depois de deflagrar a operação “Fake Bois”, a Polícia Civil do Acre prendeu um ex-servidor do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (IDAF) por suspeita de inserir dados falsos no sistema do órgão para dar legalidade ao transporte de gado sem fiscalização.

A fraude se consolidava quando a inserção de dados falsos era feita no sistema de controle de animais, o que possibilitava a emissão da GTA e que por sua vez, legalizava, em tese, o rebanho e seu efetivo transporte. Outra forma fraudulenta descoberta pela equipe de investigação, é a de apagar do sistema de controle, multas que eram aplicadas pelo órgão a infratores, o fato ocorria quando o próprio fraudador identificava e pendencia de multa no sistema, realizava contato com a pessoa que foi multada e lhe cobrava propina para que ela fosse deletada do sistema o que possibilitava a movimentação no sistema sem restrição.

Foram identificadas 135 inserções falsas, desde 2018. A ação criminosa gerou prejuízos à arrecadação de impostos e possibilitou o transporte de animais sem o devido controle sanitário e possível transporte de carga viva de origem duvidosa.

“Crime grave. As informações falsas inseridas serviam para trazer gado de outros estados sem controle sanitário, para trazer gado de outros países, como Bolívia”, disse à Rede Amazônia o delegado Pedro Resende, responsável pela operação.

Mesmo afastado, o funcionário entrava no sistema para realizar as alterações. Essa é a primeira fase da operação, que terá futuramente, de acordo com Resende, outros desdobramentos.

Durante o cumprimento de mandado de prisão e de busca e apreensão, expedidos pela 2º Vara Criminal da Comarca de Rio Branco, foi possível prender R. A. M. de 30 anos, e apreender vasto material documental e material em mídia digital que comprovaram a efetividade do investigado nos crimes de corrupção passiva, inserção de dados falsos no sistema e fraude contra administração pública.