20 C
Rio Branco
7 maio, 2021 4:53 pm

Flamengo busca investidores para fundar uma filial nos Estados Unidos ou na Europa

POR GE

Assim como o Manchester City reforçou uma tendência no mercado do futebol – de ter clubes em vários países e inaugurar uma espécie de multinacional –, o Flamengo tenta estruturar uma operação para ter uma filial. Talvez em Portugal. Preferencialmente, nos Estados Unidos.

Os planos foram detalhados por Rodrigo Tostes, vice-presidente financeiro do clube, no episódio desta semana do podcast Dinheiro em Jogo.

A proposta já foi apresentada pela diretoria rubro-negra para o Conselho de Administração e tem avançado sob a liderança do dirigente.

Enquanto o City usa do dinheiro dos Emirados Árabes para fazer seus investimentos mundo afora, o Flamengo não pretende colocar dinheiro próprio na operação.

Em vez disso, procura um parceiro que entre com o dinheiro, enquanto caberá ao clube licenciar sua marca para a filial.

Tostes diz que atualmente o Flamengo está estruturando a operação com instituições financeiras. Precisa haver um banco no meio.

O dirigente também adiantou que o clube não deverá alterar sua estrutura societária – de associação civil para sociedade anônima, por exemplo.

– A história é levar o Flamengo para fora. Las Vegas foi o primeiro teste que a gente fez, que não foi bem sucedido. Mas a decisão estratégica basicamente está montada em cima de uma tendência. Na nossa visão, para os próximos dez anos, o Flamengo precisa internacionalizar a marca. A gente precisa buscar outros países e se posicionar nesses outros países – explica Rodrigo Tostes, vice financeiro do Flamengo, no podcast.

No podcast, o vice-presidente financeiro do Flamengo enumerou três razões para ter uma filial rubro-negra fora do Brasil:

-Para gerar receita em moeda forte
-Para ter outra vitrine para atletas e reforçar transferências
-Para oferecer à torcida outro “produto” que possa ser monetizado

Em 2018, o Fluminense chegou a firmar parceria com o Samorim, um clube da Eslováquia, mas o projeto terminou no início de 2019 por falta de dinheiro. Os dirigentes tricolores não conseguiram patrocínios para bancar o custo de aproximadamente 63 mil euros por mês.