17 C
Rio Branco
7 maio, 2021 4:56 am

Departamento de Pando elege médico cadeirante como novo governador

Prefeitos do Alto Acre demonstram preocupações com as relações políticas e diplomáticas com o novo governo

POR TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

Os prefeitos de Epitaciolândia, Sérgio Lopes (PSDB), e de Brasiléia, Fernanda Hassem (PT), municípios do Alto Acre na fronteira com a Bolívia, embora ferrenhos adversários entre si e filiados a partidos antagônicos, têm agora uma preocupação em comum. Ela atende por Régis Richter Alencar, o “Papito”, um médico de 40 anos de idade e cadeirante que acaba de ser eleito governador do Departamento de Pando, no norte da Bolívia, cuja capital Cobija é uma das cidades bolivianas com maior interação política e social com o Brasil através dos municípios acreanos.

“Papito” tem 40 anos, é médico e foi prefeito de Povlenir por dez anos

Prefeito por dez anos consecutivos da província de Polvenir – fronteira com Epitaciolandia, nos arredores de Cobija, “Papito” está sendo observado pelas autoridades brasileiras por causa da tensão registrada na fronteira desde que a Bolívia fechou-se em relação ao Brasil por causa da pandemia do coronavirus. Além disso, em território boliviano vivem muitos brasileiros, assim como há bolivianos vivendo nas cidades brasileiras, numa verdadeira integração social de uma fronteira viva.

“Tudo o que a gente quer é que tenhamos paz e integração”, disse a prefeita petista de Brasiléia. A preocupação de Fernanda Hassem tem razão de ser: o novo governador de Pando foi eleito pelo “Movimiento Tercero Sistema (MTS)”, partido contrário ao governo do atual presidente da Bolívia, Luis Arce, aliado do ex-presidente Evo Morales, com quem o PT da prefeita tem profundas afinidades e com o qual manteve aliança nos governos dos ex-presidentes Lula e Dilma Roussef.

Ideologicamente, o governador “Papito” estaria mais próximo do prefeito de Epitaciolândia, delegado Sérgio Lopes, do PSDB. Mesmo coma aproximação ideológica o prefeito também está preocupado e espera poder manter as boas relações com o novo governo de Pando. “Não se sabe quantos brasileiros vivem na Bolívia, como também o número de bolivianos em nosso país. São muitos e isso requer boas relações entre os governos e governantes”, disse Sérgio Lopes ainda durante a campanha eleitoral.

A Bolívia, assim como o Equador e o Peru, importantes democracias do continente sul-americano, foi às urnas no último domingo (11). Ainda no domingo à noite, Regis Richter Alencar já cantava vitória por ter obtido a maioria dos votos e já se considerava governador eleito. Ele vai assumir o lugar de Paola Terrazas, que assumiu o governo após renúncia de Luiz Flores, que assumiu uma cadeira no Senado boliviano.

A regra eleitoral boliviana estabelece que o candidato pode se considerar eleito caso tenha 50% e mais um voto sobre o segundo concorrente. Nas eleições de março, nenhum partido alcançou essa diferença forçando uma nova eleição, em segundo turno agora em abril.

Prefeitos Fernanda Hassem: adversários entre si mas agora com preocupações em comum

Na chapa do MTS, Ana Paula Valenzuela Becerra é candidata à vice-governadora. Ela é advogada e atualmente ocupa o cargo de vereadora de Cobija. As eleições transcorreram normalmente na região de Pando, com a segurança reforçada por pelo menos 400 militares. Ao todo, 15 municípios receberam cabines de votação. Em Cobija, a capital e principal colégio eleitoral do departamento, quase 74 mil eleitores estavam aptos para votar. Houve carreata pelas ruas de Cobija nesta manhã em comemoração á vitória de “Papito”.