23 C
Rio Branco
10 maio, 2021 10:08 pm

Trabalhadores da Saúde protestam contra terceirização da Upa: “Sentimento de traição”

Os manifestantes seguraram cartazes com frases de combate a decisão do governo

POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

Dezenas de profissionais da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Sobral, em Rio Branco, realizaram um protesto na manhã desta quinta-feira (22) contra a terceirização do local pelo Instituto de Gestão de Saúde do Acre (Igesac), criado pelo executivo acreano e aprovado na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac).

Os trabalhadores acreditam que o processo irá precarizar os serviços ofertados e afetar drasticamente os contratados que prestam atendimento à população.

A proposta do governo é entregar a administração da Upa para o Igesac, em um período de dois meses, de acordo com o vereador e presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Acre (Sintesac), Adailton Cruz.

“Não queremos que o governo entregue a gestão da Upa para uma empresa terceirizada, que eles chamam de Igesac, mas que dê mais condições aos trabalhadores e melhore os serviços ofertados. É um desserviço considerar que vamos melhorar a Saúde dessa forma”, disse Adailton à reportagem do ContilNet.

“Essa é uma manobra política absurda”, continuou o sindicalista.

Os manifestantes seguraram cartazes com frases de combate a decisão do governo, enquanto pessoas aguardavam do lado de fora da unidade por atendimento.

Também participou do ato o deputado estadual Jenilson Leite (PSB), que é médico e tem a pauta da Saúde como uma das mais importantes do seu mandato.

“Na Aleac, fui contra a criação desse instituto, que tem como objetivo a terceirização das nossas unidades. O que o governo deve fazer é pagar em dia o salário e os auxílios dos nossos trabalhadores, e não promover uma terceirização que não oferece melhoras ao sistema”, disse Jenilson.

Um dos integrantes do ato público, o enfermeiro Ricardo Leandro de Oliveira disse que os trabalhadores se sentem traídos.

“Somos contra a terceirização. Estamos nos sentindo traídos, porque não foi essa a promessa feita antes. Ouvíamos nos quatro cantos que iriam melhorar a nossa situação e a Saúde do Acre. Já vivemos em um estresse constante por conta dessa pandemia, atuando na linha de frente, e o que ganhamos é isso”, finalizou.