28.3 C
Rio Branco
23 junho, 2021 1:12 pm

Bruno Covas tem quadro clínico irreversível, diz boletim médico

Prefeito licenciado de São Paulo está internado no hospital Sírio-Libanês desde o dia 2 de maio para tratamento de câncer

POR G1

O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), apresentou agravamento do estado de saúde nesta sexta-feira (14). Segundo boletim médico, o quadro é irreversível.

Covas está internado desde o dia 2 de maio no Hospital Sírio-Libanês, no Centro da capital paulista, para tratamento do câncer no sistema digestivo com metástase nos ossos e no fígado.

“O Prefeito Bruno Covas segue internado no Hospital Sírio-Libanês recebendo medicamentos analgésicos e sedativos. O quadro clínico é considerado irreversível pela equipe médica. Neste momento, encontra-se no quarto acompanhado de seus familiares”, diz boletim divulgado na noite desta sexta.

Na segunda-feira (10), Covas havia iniciado uma nova etapa de tratamento, com a combinação de imunoterapia e terapia-alvo.

A imunoterapia é feita com medicamento que reforça o sistema imunológico do paciente, para que ele próprio combata o câncer. Já a terapia-alvo, um tratamento mais recente, é feita com outro tipo de medicamento, que identifica uma proteína que existe em células cancerígenas e ataca essas células.

Na semana passada, Covas passou também por sessões de radioterapia para ajudar a conter um sangramento na cárdia detectado em um exame (leia mais abaixo).

Visitas no hospital

Na quinta-feira (13), o prefeito licenciado postou uma foto nas redes sociais ao lado do vice-governador Rodrigo Garcia, que se filiou ao PSDB nesta sexta-feira (14), de olho na disputa eleitoral do estado em 2022.

Nas últimas semanas, Covas recebeu no hospital visitas de familiares e políticos, como o prefeito em exercício, Ricardo Nunes (MDB), o governador João Doria (PSDB) e o presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (DEM).

No Dia das Mães, Covas fez uma homenagem à sua mãe e à mãe de seu filho Tomás, que tem 15 anos. Ele também postou uma foto dele mesmo sorrindo e escreveu: “Continuo a lutar aqui no hospital. sem baixar a cabeça e sem perder minha motivação. Muita força, foco e fé. Espero logo estar junto de vocês para agradecer por todo carinho”.

Com o afastamento de Covas do cargo, o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), assumiu a Prefeitura de São Paulo no último dia 4, por 30 dias.

Intubado e extubado no mesmo dia

Covas foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no dia 3 de maio para passar por um procedimento para conter um sangramento no tumor da cárdia, localizada na transição entre o estômago e o esôfago.

Ele chegou a ser intubado para o procedimento, mas foi extubado no mesmo dia, após o sangramento ter sido contido. No dia 4 de maio, ele teve alta da UTI e foi para leito semi-intensivo.

Em foto divulgada nas redes sociais, após deixar a UTI, Covas apareceu ao lado do filho com a camiseta do Santos, time para o qual ambos torcem. Na mensagem, o prefeito licenciado disse ter vencido mais uma etapa e ter fé em continuar a driblar os próximos obstáculos.

Por conta do sangramento, as sessões de quimioterapia que estavam previstas foram suspensas e Covas realizou sessões de radioterapia.

Em 2 de maio, Covas anunciou que faria um pedido de afastamento do cargo por 30 dias, para poder continuar o tratamento de saúde, e que o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), assumiria a gestão da cidade.

No mesmo dia, Covas foi internado para realizar exames de rotina do tratamento oncológico, com o objetivo de prosseguir o tratamento quimioterápico e imunoterápico. Nesses exames foi detectado o sangramento no local do tumor inicial, a cárdia.

Os médicos explicaram que a intubação foi feita para proteger as vias aéreas do prefeito e evitar alguma laceração no momento da endoscopia, procedimento utilizado para estancar o sangramento.

“O evento foi controlado com sucesso. A intubação foi estratégia para evitar que os coágulos fossem aspirados e contaminassem a via aérea. Foi uma intubação para proteger a via aérea durante o evento. É diferente da intubação de quem tem insuficiência respiratória por Covid ou alguma coisa assim. Não houve alteração da função respiratória”, afirmou Artur Katz.

Tratamento

Em 15 de abril, o prefeito licenciado já havia sido internado para a realização de exames de controle, que descobriram novos focos de tumor nos ossos e no fígado. Durante a internação, ele apresentou uma piora no quadro e foi diagnosticado líquido no abdômen e nas pleuras, tecidos que revestem os pulmões.

Drenos foram colocados para a retirada do líquido, uma suplementação nutricional também foi iniciada, e Covas teve alta em 27 de abril.

Primeiro diagnóstico em 2019

O prefeito licenciado foi internado pela primeira vez em outubro de 2019, quando chegou ao hospital com erisipela (infecção), que evoluiu para trombose venosa profunda (coágulos) na perna direita. Os coágulos subiram para o pulmão, causando o que é chamado de embolia.

Durante os exames para localizar os coágulos, médicos detectaram o câncer na cárdia, região entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado e nos linfonodos.

Covas passou por oito sessões de quimioterapia, que fizeram com que o tumor regredisse. Mas, segundo a equipe médica, não foram suficientes para vencer o câncer. Após novos exames, o prefeito iniciou o tratamento com imunoterapia.

Em janeiro de 2021, após ser reeleito nas eleições municipais e continuar no cargo, Covas anunciou uma nova fase de procedimentos no combate à doença.

Ele tirou uma licença de 10 dias, quando passou a ser submetido a sessões de radioterapia. Na época, estavam previstas 24 sessões de radioterapia complementares para o tratamento.

Em abril deste ano, exames apontaram novos pontos de câncer nos ossos e no fígado.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.