24.3 C
Rio Branco
17 junho, 2021 7:05 pm

Exclusivo: Globo é processada após fraude envolvendo Luciano Huck

Perícia constatou que o quadro 'Lata Velha' do Caldeirão do Huck devolveu outro carro a participante do quadro

POR COLUNA DO LO-BIANCO, IG

O carioca João Marcelo Viera (50) enfrenta há 16 anos uma árdua batalha judicial contra a TV Globo. O ambientalista participou do quadro ‘Lata Velha’, do Caldeirão do Huck , e acusa a emissora de ter devolvido um outro carro montado sobre outro chassi. O caso na época foi parar na polícia e está agora em fase recursal no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Em contato com este colunista, João Marcelo relatou que tinha o sonho de ver seu antigo carro reformado pelo programa. Após enviar uma carta para a produção, diz que chegou a viver parte do sonho quando teve seu automóvel selecionado para ser uma das atrações do programa da TV Globo. “Senti uma realização enorme na época quando me deram essa esperança, de ver meu Opala reformado”, conta.

Ainda segundo Marcelo, após entregar seu Opala verde, ano 79, para a produção do programa, sofreu um duro golpe que tenta se recuperar até hoje por meio da Justiça: “cometeram uma fraude”, acusa o ambientalista. Segundo narra o processo, o Opala simplesmente teria desaparecido. O novo carro entregue ao participante teria sido reconstruído a partir do chassi de uma Caravan, do ano de 79.

Marcelo denunciou o ‘Lata Velha’ às autoridades e lembra que na época sofreu forte abalo emocional ao escutar de algumas pessoas que ele queria se promover com o caso. Entretanto, como consta no processo, um laudo da perícia que foi solicitada pelo delegado Ronaldo Oliveira – que estava no comando titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) – identificou a fraude.  Após a conclusão de quatro peritos o delegado explicou que não havia nada de original no carro: “O carro é todo adulterado. Não há nada ali que seja original do carro dele, nem o chassi”, disse. Outra perícia solicitada a pedido da Corregedoria do Detran e realizada pelo Instituto Carlos Éboli também indicou a fraude, e mais ainda, que assinaturas de João Marcelo teriam sido falsificadas.

O carro nunca mais foi utilizado pelo participante do programa
Divulgação/ O carro nunca mais foi utilizado pelo participante do programa

Assinaturas de Marcelo teriam sido falsificadas

O carro que teria servido de modelo para a suposta transformação do veículo de João Marcelo foi apontado pelo laudo como uma Caravan marrom. O automóvel, pelos registros do Detran, estava na posse de um rapaz chamado Rubem de Souza. A transação que efetivou a compra do veículo teria sido feita em Ribeirão das Neves, por meio de um Feirão de automóveis. O valor pago pela Caravan foi de R$ 4.200.

João Marcelo conta que nesse momento tomou um outro susto: a pessoa que comprou o veículo no feirão teria utilizado uma assinatura sua falsificada. Foram mais de oito assinaturas adulteradas em nome do ambientalista, que hoje vive em Cabo Frio, localizado na Região dos Lagos.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.