20.3 C
Rio Branco
29 julho 2021 11:37 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

CPI da Covid ouve nesta terça deputado estadual que relatou CPI da Assembleia do Amazonas

CPI estadual investigou supostas fraudes na compra de equipamentos. Senadores previam votar convocação do deputado Ricardo Barros, mas, segundo Humberto Costa, votação será na quarta.

POR G1

A CPI da Covid ouvirá nesta terça-feira (29) o deputado estadual Fausto Junior (MDB-AM), relator da CPI da Saúde, criada na Assembleia Legislativa do Amazonas e que funcionou em 2020.

O caos na saúde do estado é um dos objetos de investigação da CPI no Senado. No relatório, Fausto Junior pediu a exoneração de autoridades e agentes públicos do governo local após as investigações concluírem que houve superfaturamento na compra de ventiladores pulmonares (leia detalhes mais abaixo).

Os senadores previam votar nesta terça a convocação do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, além de outras pessoas supostamente envolvidas em possíveis irregularidades nas negociações de importação da Covaxin, vacina contra a Covid-19 produzida na Índia.

Segundo o senador Humberto Costa (PT-PE), porém, a votação ficou para quarta (30). Costa deu a informação no fim da noite desta segunda (28), após reunião com alguns integrantes da CPI, entre os quais o presidente, Omar Aziz (PSD-AM), e o vice, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que defende a votação dos requerimentos já nesta terça.

Na semana passada, em depoimento à CPI, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) e o irmão dele, Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, disseram ter informado o presidente Jair Bolsonaro sobre as suspeitas envolvendo a Covaxin.

Segundo Luis Miranda, ao ouvir o relato, Bolsonaro atribuiu as supostas irregularidades a Ricardo Barros. O deputado diz que não há “dados concretos” contra ele nem “acusações objetivas”. O presidente diz não ter sido informado sobre as suspeitas.

Nas últimas semanas, a CPI da Covid inaugurou uma nova etapa de investigação e passou a mirar contratos do governo para a aquisição de imunizantes.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.