17.3 C
Rio Branco
21 julho, 2021 10:07 am

Médica acreana conta que conquistou esposa com um cacho de coco e açaí de Tarauacá

POR DOUGLAS RICHER, DO CONTILNET

Siga meu Instagram e veja mais conteúdos: @douglasricher

Juntas há mais de 3 anos, o casal de acreanas Josiane dos Santos Alves, de 39 anos, e Maria Delcidia de Souza Cunha, de 51 anos, celebra neste Dia dos Namorados mais um aniversário de namoro juntas.

A empresária Josiane, mais conhecida como Índia Alves, e sua esposa, a médica acreana Delcidia, contaram em entrevista exclusiva para este colunista como iniciou a relação e os primeiros passos da conquista.

“A Delcidia vivia tentando me conquistar, até que ela conseguiu me conquistar, ela me conquistou com um cacho de cocô e açaí de Tarauacá”, conta a empresária.

A médica, que é natural do município de Tarauacá, mas reside em Rio Branco há mais de 35 anos, confirma a história e revela os truques que usou: “Minha irmã tem uma fazenda em Tarauacá e tem açaí muito bom, ela tirou da fazenda e mandou muito, meu freezer tava cheio. E aí eu conheci ela, e via os meninos (filhos) comendo muito açaí, todo mundo gostava muito de açaí. Aí eu ofereci para ela dar para as crianças, e aí comecei a ir deixar na casa dela açaí para os meninos, água de cocô, polpa de fruta e fui ficando, (rs)”, conta a médica acreana.

Índia contou que a decisão de morar juntas e casar aconteceu devido não abrir mão de deixar seus filhos sozinhos e também a rotina agitada da médica. “A questão de casar surgiu de minha parte, por eu ser mãe e ter 3 filhos, sair à noite e deixar as crianças é complicado, coisa que eu não faço. E a Del morava sozinha e quando a gente se encontrava era na casa dela, para mim era mais difícil, então a gente decidiu morar juntas. Hoje somos uma família, ela vendeu a casa dela e aí decidimos morar juntas”.

Índia conta que a relação não causou impacto na família e na vida profissional de ambas: “Tanto eu, quanto ela somos bem resolvidas, e não damos espaços para as pessoas se meterem em nossa relacionamento. A nossa família e amigos respeitam e também torcem pela nossa felicidade”.

A empresária conta que já sofreu preconceito bem no início, quando assumiu a sua sexualidade, mas hoje não passa por isso com sua companheira, nem com sua família. Índia também garante que tem liberdade e não se sente constrangida frequentando ambientes em Rio Branco. Dos pontos preferidos das acreanas, o GastroBazar Casa do Rio Branco é local de maior afinidade.

Mãe de Júlia, Maria e João, a empresária conta como foi o processo de explicar para seus filhos sobre sua sexualidade e casamento. Mãe coruja, a empresária disse que hoje a sua companheira é a segunda mãe dos seus filhos.

“A pessoa que entrava na minha vida já sabia que meus filhos estão em primeiro lugar, eu nunca dei brecha para que fossem tratados de alguma indiferença. Eu tenho uma filha de 21 anos, que se chama Júlia e tenho os gêmeos João e Maria de 10 anos. A Júlia cresceu sabendo, mas com 10 dias tivemos uma conversa franca, os gêmeos também já sabiam, mas eu sempre respeitei, e até hoje respeito, e não fico ‘se desejando, beijando, se amassando’ com a minha parceira na frente deles. Quem quer respeito, tem que dar respeito, aqui na minha casa o ambiente é bem família e me sinto bem assim. Esse ano, eu e minha esposa e minha filha mais velha sentamos com eles e explicamos para eles toda situação, sobre a nossa vida. Eles super aceitaram, e até riram, brincaram dizendo que já sabiam, mas era meio confuso porque eles nunca escutaram da nossa boca. Para eles é uma coisa super normal, e não veem diferença. Eles respeitam minha companheira, tratam ela como mãe, não tenho problema com meus filhos”, conta índia.

Dos momentos marcantes, a empresária revelou que o pedido de namoro marcou a trajetória do casal, onde sua esposa pediu sua filha mais velha para namorar com ela e fez declaração com vários buquês de rosa.

Índia e Delcidia hoje afirmam que são realizadas e felizes com seus filhos.

 

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.