28.3 C
Rio Branco
3 agosto 2021 12:58 pm
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Oposição do Acre se reúne, debate eleições e movimenta tabuleiro político para 2022

POR THIAGO CABRAL, DO CONTILNET

O jogo começou

Se até poucas semanas atrás só se via as peças de um lado do tabuleiro se movimentarem, pensando nas eleições do ano que vem, agora parece que de fato o jogo começou. O governador Gladson Cameli, que começou a se movimentar cedo, por enquanto é o que tem a melhor estrutura quando se pensa em 2022.

Ficando pra trás

Enquando a base de Gladson já tá praticamente montada e os partidos de esquerda e centro começam a se movimentar, quem tá ficando pra trás, pelo menos no que é externado, é o senador Sérgio Petecão. Se tem costurado alianças, tem feito com bastante discrição.

Uni-vos

Mais afinados do que nunca estão os partidos de oposição. O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB), um dos líderes do ainda embrionário bloco formado por PT, PSB, PCdoB, PSOL e PV, disse que a intenção do grupo é “a construção de um novo polo político democrático/popular olhando para o futuro do Acre e do Brasil”.

Nova FPA?

Segundo o ex-senador Jorge Viana (PT), a reunião dos partidos não se trata de refundar a antiga Frente Popular do Acre (FPA), mas sobretudo de se posicionar contra o Bolsonarismo e o governo Gladson. Até porque, as alianças regionais dependem bastante, e vão depender ainda mais em 2022, das alianças firmadas nacionalmente.

Oi sumido

Quem apareceu para dar o ar da graça foi o ex-prefeito de Rio Branco Raimundo Angelim (PT). Ao lado de Jorge Viana, Angelim posou para uma fotografia divulgada nas redes sociais de JV, que deu a entender que o ex-prefeito deve disputar 2022 ao lado dele. “Acho que um nome como o do Angelim é imprescindível para enfrentarmos essas dificuldades. Ele, assim como eu, vai ouvir muito antes de tomar uma decisão”, escreveu o ex-senador.

Corajoso

Podem falar o que for do governador Gladson Cameli, só não podem dizer que o homem não tem coragem. Na manhã de hoje o chefe do executivo estadual foi até os grevistas da saúde, que se concentravam em frente ao Palácio Rio Branco para ter uma conversa cara a cara com os trabalhadores. Num momento completamente desfavorável a sua gestão, Gladson conseguiu arrancar até aplausos, quando disse que não criou o Pró-saúde mas que ele é quem vai resolver a situação do programa.

Escaldado

Que gato escaldado tem medo de água fria, todo mundo já sabe, e o governador parece ter adotado o ditado para as suas decisões. Cobrado pelos trabalhadores da saúde com relação ao reajuste do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR), além de outras pautas, o governador foi taxativo: “Não adianta eu prometer aquilo que não posso executar”. Mas mesmo assim garantiu que, com “calma”, vai resolver o problema.

Vacina já

A insatisfação com o ritmo da vacinação em Rio Branco chegou no Ministério Público. O vereador Emerson Jarude (MDB) foi até o órgão pedir providência para que a prefeitura de Rio Branco agilize a vacinação contra a Covid-19. Segundo o parlamentar, existem 30 mil doses do imunizante armazenados na capital. “Estamos cansados de perder vida para o coronavírus. Antes era porque nós não tínhamos vacina, agora nós temos, mas a prefeitura segue brincando com a vida das pessoas e nós não iremos permitir isso”.

Vem forte

A senadora Mailza Gomes (PP) deu mais um passo importante visando a sua reeleição. Ela, que já era presidente estadual do partido, foi reconduzida ao cargo nesta segunda (14). Ocupando o cargo mais alto na hierarquia estadual do partido, Mailza só não será candidata se não quiser. Tião Bocalom, prefeito de Rio Branco, foi escolhido como vice-presidente estadual da legenda para o próximo biênio.

Aposentadoria

Estava marcado para ocorrer na última sexta (12), no STF, o julgamento que poderia extinguir as aponsentadorias dos ex-governadores do Acre e de outros oito estados. Porém, a ministra Carmem Lúcia, suspendeu o julgamento, que agora está sem data para julgado pela corte. Por mês, o Acre gasta quase 300 mil reais com essas pagamentos.

Filiou

Em um evento pra lá de vistoso, o PSL anunciou a filiação do médico Eduardo Velloso ao partido. Velloso, que é primeiro suplente do senador Márcio Bittar, deve tentar uma vaga na Câmara Federal no ano que vem. O evento contou com a presença do senador Márcio Bittar, do vice-presidente nacional da sigla, Antônio de Rueda, da possível candidata ao senado pela sigla, Márcia Bittar, e do candidato ao governo do Acre nas últimas eleições, o coronel Ulysses. O vice-governador, major Rocha, que é filiado ao partido, não compareceu.

Presença

Para surpresa de alguns, quem compareceu ao evento, e compôs a mesa, foi o secretário estadual de Saúde, Alysson Bestene. O secretário, que já estava acertado com o partido, desistiu de última hora da filiação, mas não deixou de prestigiar o evento.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.