27.3 C
Rio Branco
24 junho, 2021 9:39 pm

Sob pressão no Exército, Pazuello ganha cargo em secretaria ligada ao gabinete de Bolsonaro

Ex-ministro da Saúde, que responde a processo disciplinar por ato com presidente e é um dos principais alvos da CPI da Covid, foi nomeado na Secretaria de Assuntos Estratégicos

POR O GLOBO

O ex-ministro e general da ativa Eduardo Pazuello foi nomeado como Secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos (SAE), órgão vinculado à Presidência da República. A nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na tarde desta terça-feira.

A SAE é comandada pelo almirante Flávio Rocha. Pazuello deverá receber um salário de R$ 16.944,90. Esse valor será complementado pelo que o ex-ministro recebe como general da ativa do Exército. A nomeação foi assinada pelo ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos.

Como o GLOBO mostrou nesta terça-feira, a nomeação ocorrere após Pazuello ter blindado o presidente Jair Bolsonaro em seu depoimento na CPI da Covid, no Senado, e dias depois ter comparecido a uma manifestação ao lado do presidente no Rio de Janeiro. Pela participação neste ato, o ex-ministro está respondendo a um procedimento administrativo no Exército e pode ser punido.

No início de maio, antes de prestar depoimento à CPI, Pazuello recusou um cargo na Secretaria-Geral da Presidência. O ato de nomeação chegou a ser assinado pelo ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, mas não foi publicado a pedido do militar. Na época, o general também ameaçou abrir mão da defesa da Advocacia-Geral da União (AGU) na comissão e ser representado por um advogado particular caso não houvesse um pedido de habeas corpus. Com o receio de distanciamento do ex-ministro, Bolsonaro deu aval ao HC.

Ao demitir Pazuello do Ministério da Saúde no final de março, Bolsonaro sinalizou que o nomearia para outro ministério, mas houve resistência. Pazuello voltou ao Exército e foi transferido de Manaus para Brasília. No mês passado, foi oferecida ao militar a Secretaria Especial de Modernização do Estado, ligada à Secretaria-Geral da Presidência. Pessoas próximas ao ex-ministro, entretanto, alegam que ele não está interessado apenas em cargo e não via a secretaria como “uma missão”.

Pazuello prestou depoimento na CPI da Covid há duas semanas. Integrantes do governo avaliaram que o general cumpriu sua missão ao tentar blindar Bolsonaro e evitar expor o governo, procurando redirecionar responsabilidades para ações de estados e municípios. A atuação chegou a ser elogiada pelo presidente em transmissão nas suas redes sociais.

Dias após seu depoimento, Pazuello compareceu a um passeio de moto organizado por Bolsonaro no Rio. O ex-ministro subiu ao palanque e discursou ao lado de Bolsonaro, o que motivou a abertura de um procedimento disciplinar no Exército, já que militares da ativa são proibidos de se manifestarem politicamente em público. Ao apresentar sua defesa, Pazuello afirmou que o ato não tinha caráter político. O argumento foi endossado em público por Bolsonaro. Agora, abe ao comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira, definir se general será punido ou não.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.