17.3 C
Rio Branco
21 julho, 2021 7:43 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Com um pé fora do MDB, Bittar assegura: “Não há o que me afaste da candidatura da Márcia”

POR THIAGO CABRAL, DO CONTILNET

Quase fora

“Eu não estou desconfortável e nem estou querendo sair do MDB”, me confessou hoje o senador Marcio Bittar. Porém, devido as circunstâncias que o cenário eleitoral está se desenhando para 2022, Bittar não nega uma possível saída da legenda.

Saiu dos trilhos

Para Bittar, logo após a vitória da frente que elegeu a então oposição para os principais cargos do Estado, o ideal seria que o grupo se mantivesse unido. “O natural seria que o Gladson viesse para reeleição, o Rocha para o Senado, e o MDB, que elegeu um senador, três deputados estaduais e dois federais, tinha todo o direito de pleitear a vice. Isso era uma construção, foi a avaliação que eu fiz em 2018”. O que o senador não esperava era o racha entre os protagonistas das eleições.

Tudo mudou

Apesar das brigas e rachas na base governista, Bittar foi diplomático, “cada um fez aquilo que achou que deveria fazer. Eu não estou aqui pra julgar”. Mas no curso que as coisas tomaram, a situação mudou. E agora, já que cada um tomou seu rumo, o senador também optou por tomar o seu: pleitear a candidatura de sua ex-mulher, Márcia Bittar, ao Senado Federal em 2022.

O início

O senador revelou que a ideia de lançar Márcia para o senado surgiu em 2019, durante uma conversa dele com o presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro e o senador Eduardo Gomes (MDB/TO), que acabava de ser nomeado líder do governo no Congresso. “Ficou claro ali que pra quem apoia o que o Bolsonaro representa pro país, não bastava o governo e a reeleição, teria que mudar a correlação de forças no Senado. A partir dali começamos a ver, num grupo informal, quem teria condições de disputar uma vaga para o Senado nos estados, para mudar essa correlação. Sem isso, não conseguimos fazer as mudanças que precisam ser feitas na educação, segurança pública e no rigor das leis ambientais que pesam sobre nós”.

Consequência

E justo por defender a candidatura, é que Bittar trata a possível saída dele do MDB como uma consequência, e não uma vontade. É que ainda ontem, a direção nacional do partido deu o aval para que a deputada federal Jéssica Sales dispute a única vaga ao Senado pelo Acre. “Eu não tenho como não estar ao lado da Márcia. A conheço bem, sei de sua retidão moral, é conhecedora do Estado, tem mais de 33 anos de Acre. Tudo que eu fiz na política, ela esteve do meu lado”, confessou.

Lados opostos

Apesar da iminente disputa, Bittar disse entender o lado do partido, mas reafirmou seu compromisso com Márcia. “Não tem como eu estar apoiando uma candidatura para o Senado e o partido outra. Eu respeito a Jéssica Sales, gosto dela e desejo sorte. Mas a minha candidata é a Márcia, por ela vou fazer tudo que tiver ao meu alcance”.

Incomodo

Outro fator que pode fazer o senador procurar outra sigla é o comportamento do MDB no Senado. “Saber que mesmo de forma indireta eu contribuo para que o Renan (Calheiros) seja o relator dessa CPI mentirosa, que nasce mentindo, que tenta criminalizar o presidente Bolsonaro todos os dias, isso sim me incomoda”, reclamou. Bittar alega que mesmo sendo amigo do líder do MDB, Eduardo Braga (MDB/AM), Renan se tornou a principal representação do MDB no Senado, “e eu não me sinto representado”.

Com calma

Embora as eleições do ano que vem já estejam batendo na porta, Bittar garante que não tem pressa pra resolver se sai ou não do partido, mas garante: “não há nada que me afaste da candidatura da Márcia”.

Não muda

Mesmo com todo esse imbróglio político eleitoral, Bittar fez questão de dizer que independente dele estar satisfeito ou não com a política partidária no Acre, o dever dele é de lutar por recursos para o Estado e isso não muda em hipótese alguma.

Finalmente

Depois do governador Gladson Cameli (Progressistas) ter afirmado por diversas vezes que a médica Paula Mariano substituiria Alysson Bestene na Sesacre, só hoje a nomeação foi oficializada com a publicação no Diário Oficial. A até então secretária interina, Muana Araújo, passa a ser a secretária adjunta de Saúde.

Abacaxi

E já no primeiro dia sob o comando da pasta, a nova secretária teve que lidar com um tremendo abacaxi, uma operação da Polícia Federal. A operação “Busdoor” apura possíveis irregularidades na contratação, pela Sesacre, de campanhas publicitárias de combate ao novo coronavírus. Em nota, a médica disse que a secretaria ainda não foi notificada pela PF e manifestou apoio às investigações.

Nomeado

O ex-vereador de Brasileia, Joelso Pontes, é agora chefe de Departamento na Secretaria Extraordinária de Assuntos Governamentais, pasta de Alysson Bestene. Filiado ao Progressistas, Joelso é indicação da senadora Mailza Gomes.

Viajou

Apesar das denúncias de assédio sexual que pesam contra o secretário municipal de Saúde, Frank Lima, o gestor foi autorizado pelo prefeito Tião Bocalom (Progressistas) para ir até Brasília (DF), nesta quarta-feira (14), participar de uma reunião do Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conasems). As diárias e passagens serão pagas pelo executivo municipal e o retorno do secretário está previsto para o dia 17, sábado.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.