23.3 C
Rio Branco
25 setembro 2021 12:24 am

Extrativismo: Preço do quilo da borracha salta de 8 para 10 reais em Sena Madureira 

POR EDINALDO GOMES, DO CONTILNET

Última atualização em 30/07/2021 16:47

Considerada como a terceira maior cidade do Acre, Sena Madureira viveu tempos áureos com relação a produção da borracha, denominada como o “ouro negro da Amazônia”, em décadas passadas. Nos seringais espalhados pelos rios Iaco, Caeté, Purus e Macauã, centenas de pais de famílias se dedicavam à extração do leite da seringueira para fabricar o produto e, por consequência, garantir seus sustentos. 

Mas, com a decadência da borracha,  ocasionada por sua desvalorização, essa realidade mudou. Muitos seringais foram desativados e Sena Madureira deixou de ser um grande exportador desse produto. 

Somente nos últimos anos é que tal atividade ressurgiu, mediante o surgimento da empresa Veja que começou a comprar a borracha do Vale do Iaco para a fabricação de calçados. “Neste ano, a empresa aumentou o preço. Atualmente compra a 10 reais o quilo”, informou dona Lila, gerente da Cooperiaco em Sena Madureira. 

Esse é o valor pago pela empresa, porém há ainda o subsídio pago tanto pelo Governo Federal quanto pelo estadual. Somando o subsídio ao que é pago pela Veja, o seringueiro tende a receber pouco mais de 15 reais. 

Atualmente há seringueiros atuando nos quatro rios de Sena Madureira, entretanto, a maior produção é oriunda do Rio Macauã. 

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.