17.3 C
Rio Branco
23 julho, 2021 7:04 am

Ifac tem duas equipes na final da Olimpíada Nacional de História do Brasil

POR ASCOM

Mais uma vez o Instituto Federal do Acre (Ifac) chega a grande final da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB) representando o estado do Acre com duas equipes. Os estudantes do campus Cruzeiro do Sul Cauã Alexandre Lima, Luiz Fellipe de Melo e André Leôncio Ribeiro fazem parte da “Historiadores Sem Curso”. Já a equipe “Patrulha Aquiri” tem como componentes Andreilson Ferreira, Estéfane de Oliveira e Franceline dos Santos, todos alunos do campus Rio Branco.

A 13ª edição ONHB contou com a participação de mais de 9 mil equipes de todos os estados brasileiros, sendo 22 equipes do Acre. Em 2021, pelo segundo ano consecutivo, devido à pandemia, a Olimpíada teve todas as seis fases realizadas on-line nos meses de maio e junho. A prova para os finalistas será no dia 16 de agosto e a cerimônia de premiação virtual em 12 de setembro.

Do Ifac de Cruzeiro do Sul, o estudante Cauã Alexandre conta como a equipe “Historiadores Sem Curso” se formou em 2020, quando o trio competiu pela primeira vez na olimpíada. Apesar de não terem chegado à final, eles decidiram tentar novamente este ano.

“Acredito que a palavra que define a gente agora é persistência, já que mesmo depois de não conseguir avançar no ano passado, seguimos em frente com a Olimpíada deste ano, porque percebemos que é um lugar de muito aprendizado e troca de saberes, um lugar que nos ajuda a desenvolver o pensamento crítico. Estávamos um pouco desacreditados, mas no final deu tudo certo, conseguimos ir além das nossas expectativas”, comemora.

finalistas_ONHB2021_felipe_caua_andre.jpeg

Equipe “Historiadores Sem Curso” formada por Fellipe, Cauã e André / Foto: arquivo pessoal

Também integrante da equipe de Cruzeiro do Sul, Luiz Fellipe destaca o aprendizado proporcionado pela competição. “Tem sido uma experiência transformadora que contribui para que cada vez mais fiquemos encantados pela história do Brasil. Pude adquirir muitos conhecimentos valiosos, apesar dos diversos momentos de desespero e noites mal dormidas, agora eu sei que valeram a pena”, garante.

Os alunos do campus Cruzeiro do Sul receberam o incentivo e apoio dos professores de História, Bráulio Gonçalves, atual diretor-geral da unidade, e Blenda Cunha. Com muita dedicação e determinação, eles conseguiram chegar na final da olimpíada ao mesmo tempo em que conciliaram os estudos do curso técnico integrado ao Ensino Médio no Ifac, que tem sido realizado por meio de atividades remotas.

Estudante do Ifac de Rio Branco, Andreilson Ferreira já é veterano da Olimpíada Nacional em História do Brasil. “Desde a minha primeira participação, a ONHB tem me proporcionado experiências incríveis. Nesta edição não foi diferente. Eu fico realmente muito feliz por resultados como esse, fruto de muita persistência, pesquisa, foco e, sobretudo, trabalho em equipe”, afirma.

finalistas_ONHB2021_estefane_franceline_andreilson.jpg

Equipe “Patrulha Aquiri” formada por Estéfane, Franceline e Andreilson / Foto: arquivo pessoal

A equipe “Patrulha Aquiri” teve o incentivo e orientação da professora de História, Flávia Silva. Segundo a docente, “a Olimpíada de História se tornou algo esperado para os alunos do campus Rio Branco desde 2019, quando participamos pela primeira vez. É prazeroso ver o entusiasmo das equipes. A cada fase os alunos conhecem algo novo sobre a História do Brasil, é um conhecimento adquirido por meio de muita pesquisa e debates nos encontros. O resultado final são seres humanos mais conscientes em relação a historiografia brasileira”, conclui a docente.

Ifac na ONHB

No ano passado, o Ifac teve duas equipes do campus Rio Branco na final da ONHB, realizada em novembro. Em 2019, antes da pandemia, duas equipes do Ifac participaram da final em Campinas-SP representando o Acre sendo uma do campus Rio Branco e outra do campus Cruzeiro do Sul.

A participação dos alunos na ONHB já é tradição no campus Cruzeiro do Sul que desde 2015 vem conseguindo bons resultados na competição chegando a conquistar a medalha de prata na edição de 2018, ano em que chegou a final com três equipes.

A Olimpíada Nacional em História do Brasil é um projeto de extensão da Universidade Estadual de Campinas, desenvolvido pelo Departamento de História, com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Telecomunicações (MCTIC), por meio do edital de Olimpíadas Científicas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.